Tecnologia disruptiva promove diminuição do preço por consultas médicas paticulares

Com baixa adesão a planos de saúde, aplicativo é alternativa acessível para assistência sanitária em Natal

Diante do número crescente de pessoas que abandonaram os planos de saúde em virtude da crise econômica ocasionada pelo Covid-19, uma startup potiguar desenvolveu uma plataforma que promove o barateamento dos serviços médicos e sanitários em Natal (RN).

Intitulada Bom Médico Acessível (BMA) – nome derivado da própria empresa (BOMÉDICO) vinculada à incubadora de empresas Inova Metrópole – a iniciativa oferece à população um catálogo de assistência em diferentes áreas da saúde a preços mais baixos do que aqueles cobrados em clínicas e hospitais, além de possibilitar formas de pagamento flexíveis.

O projeto reúne em seu catálogo mais de 40 profissionais de saúde da capital potiguar. Segundo Rilton Campos, CEO da BOMÉDICO, a ideia é atender aqueles que, durante a pandemia, tiveram que abandonar os planos de saúde por questões financeiras.

Conheço muita gente que teve seus negócios quebrados durante a pandemia, mas que continuam, evidentemente, precisando do serviço de saúde. Essa plataforma é uma alternativa acessível e que oferece parcelamento sem juros”, conta Rilton Campos.

Aplicativo gratuito, a BMA já está disponível na App Store e Google Play.


Profissionais de saúde

A plataforma também funciona como uma alternativa para profissionais de saúde que desejem não apenas apoiar a população, mas também contar com um market place para divulgação de serviços.

Hoje nós temos mais de 400 profissionais cadastrados em nosso aplicativo. Ou seja, a tecnologia também é uma boa opção para os próprios prestadores de serviço, que podem divulgar o trabalho online e pagar um percentual bem menor do que aquele cobrado por uma clínica, por exemplo”, aponta Campos.

A empresa também está providenciando espaços físicos do tipo escritório para os profissionais que necessitem realizar consultas presenciais, diminuindo a necessidade do vínculo obrigatório a clínicas particulares – que costumam receber cerca de 50% do valor de cada procedimento em saúde.
 

Soluções disruptivas

Da mesma forma como acontece em áreas como mobilidade pública, delivery de alimentos e hotelaria, soluções disruptivas de Tecnologia da Informação (TI) tem revolucionado também a área da saúde.

Hoje é possível, com o aplicativo, marcar consultas segundo os critérios específicos do usuário, realizar exames virtuais – em conformidade com a recente deliberação do Conselho Federal de Medicina – e até gerenciar o recebimento e envio de receitas e atestados.

Até mesmo o acesso a smartphones foi ampliado. Hoje muitas pessoas, mesmo com poucas condições financeiras, possuem um celular com acesso à internet e aplicativos, já que esses dispositivos são necessários para receber benefícios oriundos da Caixa Econômica Federal, por exemplo”, comenta o CEO.

Nenhum comentário