Governadora faz balanço de 2020 em entrevista à TV Tropical

 


Ao avaliar as ações do governo estadual, a governadora Fátima Bezerra disse em entrevista à TV Tropical no Natal, que o Estado de Calamidade decretado em março no Rio Grande do Norte foi necessário dado ao cenário que a rede hospitalar se encontrava anterior de uma doença com características que ela chamou de perigosas e complexas. 

Fátima disse que naquele momento todo o governo se voltou em uma força-tarefa no enfrentamento da doença. A situação, segundo a gestora, era de “um SUS totalmente colapsado, sucateado, tanto é que nós tínhamos leitos de UTI que estavam fechados há quatro, cinco, seis anos, judicializados”. 

Lembrou das críticas recebidas ao desistir do hospital de campanha, acreditando ter sido assertivo investir na rede hospitalar já existente. A rede conta com mais de 600 leitos criados ou ativados neste ano. “Se como revelou a estratégia mais correta, mais saudável porque nós investimos no próprio SUS. Os leitos serão revertidos para a assistência geral. “São um legado para o povo do Rio Grande do Norte para melhorar a assistência à saúde”. 

Todas as ações, a governadora acredita que foram obrigados a contenção do contágio da doença. Ela reconhece que mesmo as medidas mais duras foram por necessidade. “Chegamos a tomar medidas duras naquele momento porque se faziam necessária e acho que o governo neste aspecto acertou porque fechou quando era para fechar e abrir era para abrir de maneira gradual e com responsabilidade”. 

O número de casos voltou a subir no Rio Grande do Norte entre setembro e dezembro. Especialistas até chamam de uma onda de segunda. “Hoje nós estamos numa situação bem menos difícil do que foi exatamente no início”. Mas ela lembra que é preciso manter como medidas de proteção sanitária e pede à população que faça a sua parte, que os municípios também a façam, naquilo que, sem sentido da gestora, é não se aglomerar, use máscaras. A esperança de retorno à normalidade está na vacina.

Vacina aquilo é aquilo que vai trazer uma condição mais segura de a gente voltar à normalidade ”. 

Para tanto, ela escolhe que o estado está pronto. “Estamos preparados, estamos investindo mais de 8 milhões de reais na aquisição de seringas, de agulha, como câmaras de frio. Nós vamos ter central de armazenamento e distribuição dessas vacinas, não só em Natal, mas em todas as unidades regionais do estado. De forma que nossa luta tem sido para que o governo federal agilize o plano nacional de imunização ”.

Sobre o Plano de Imunização Nacional por qual lutaram os governadores, ela explicou como se deram como tratativas entre os gestores estaduais e o governo federal. “Fomos lá cobrar do presidente da república, do Ministério da Saúde, que eles assumem o papel deles é exatamente coordenar o plano nacional de imunização. Até porque é impossível você pensar em um país de dimensão continental como o Brasil, você terá uma vacinação em massa sem ter uma estratégia unificada a nível nacional ”. 

Depois de reuniões em três semanas seguidas com o governo federal, o anúncio do plano nacional de imunização foi feito pelo Ministério da Saúde. “Nós esperamos que esses compromissos assumidos pelo governo federal sejam cumpridos”

Uma governadora informou que a infraestrutura para receber as vacinas está pronta, “estamos em convênio com a UFRN e com o Lais capacitando já os vacinadores. Repito, todos esses insumos e a infraestrutura assegurada para que, a vacina chegando, ela seja exatamente aplicada ao povo ”. 

Nenhum grupo prioritário do governo federal está os profissionais de saúde e pessoas acima de 70 anos, mas uma governadora defende que os setores de segurança e educação também são contemplados no primeiro momento. 

As escolas devem voltar a partir do dia 1º de fevereiro. Segundo a governadora, foram investidos mais de R $ 12 milhões na preparação de biossegurança, pensando nesse retorno escolar, após um ano de paralisação das atividades presenciais. Embora tenham tido atividades remotas, com aulas sendo transmitidas via TV aberta, em todos os alunos acesso, reconheceu Fátima. “Você tem uma parcela da população que não tem acesso à internet”. 

Folha de Pagamento

Os servidores do estado ainda estão com duas das quatro folhas de pagamento que estavam em atraso quando uma governadora assumiu. Ela garantiu que o pagamento se inicia em janeiro de forma escalonada. Disse que falta definir o formato e o calendário. “Nós estamos trabalhando para iniciar o pagamento daquelas duas folhas atrasadas que ainda resfria no mês de janeiro”. Um total de mais de R $ 700 milhões.

A governadora finazilou o assunto afirmando ter como marca "nunca ter atrasado salário na minha gestão e ainda pagar a conta dos outros" "e completou," até 2021, nós vamos zerar tudo isso ”.

Fátima estima a entrega de mais de 100 obras em 2021 e espera a retomada da economia com a chegada da vacina. Confessou que acreditava na melhora no setor turístico nesse final de ano, mas com o retorno do aumento dos casos.

Nenhum comentário