A Cultura do Sebo Resiste em Natal

Abimael Silva, fundador do Sebo Vermelho

*Por Leandro Soares - www.extremozemprosa.blogspot.com

Os sebos têm um importante papel na cultura e na socialização do conhecimento. A experiência de procurar um livro já esgotado, antigo ou mesmo raro é única. Mas há também os que vão em busca de verdadeiras caçadas em busca do desconhecido. Outros apenas vão em busca de fazer algumas trocas, pequenos negócios – preços mais em conta - e, por fim, compras e vendas das mais diversas formas.

Seja como for, os Sebos (ou alfarrabista) são bem mais antigos do que muitos imaginam. Existem na Europa, pelo menos, desde o século XVI, onde mercadores vendiam papiros e documentos de época para estudiosos e pesquisadores. No Brasil temos noticia dos primeiros sebos já em 1822 no Rio do Janeiro. Com o tempo os Sebos se reinventaram e passaram a assumir certas caracterizas que ia além do próprio livro, apesar de ter o livro como principal objeto de trabalho. Alguns passaram a oferecer, além dos livros, obras de artes, peças de artesanato, antiguidades, LPs e CDs ou até instrumentos musicais. Outros preferem manter a tradição e procuram priorizar o trabalho, exclusivamente, com o livro.

Em Natal o primeiro sebo foi o Nicodemos na década de 1930, que funcionou na Ribeira, mais precisamente na Av. Tavares de Lyra, se mantendo em funcionamento até meados da década de 1970. Um de seus frequentadores mais ilustres foi o historiador Câmara Cascudo e outros tantos intelectuais da época. O local era conhecido por reunir escritores e grandes amantes da poesia e literatura da capital potiguar. Entre tantos Sebos existentes em Natal – todos de inestimável valor – gostaria de destacar alguns dos mais conhecidos e tradicionais da cidade. O Sebo Cata Livros está em funcionamento desde a década de 1960 até os dias de hoje, e presta grande serviço a cultura potiguar, e mesmo após o triste ocorrido em fevereiro de 2011 (incêndio) os  proprietários, Jácio e Vera não desanimaram e permanecem firmes e fortes na defesa da cultura.

Muitos outros Sebos compõem a paisagem urbana da cultura potiguar. É fundamental prestigiarmos e valorizar os que ainda tentam resgatar e manter um pouco da cultura e do hábito da leitura em meio a uma sociedade cada vez mais tecnológica e que ler cada vez menos. O Sebo Balalaika, do amigo Ramos, já faz parte da paisagem da Av. Vigário Bartolomeu desde a década de 1990. Temos também o popular Sebo da Rio Branco de propriedade do grande Ronaldo Gurgel, que além de livros e discos desenvolve um trabalho de consciência ambiental por meio da distribuição de mudas. Desde os mais antigos até os mais recentes, como o Seburubu de 2016, administrado pelo amigo Eduardo Vinicius e localizado na Av. Deodoro da Fonseca, todos exercem o nobre papel de guardiões da cultura.

Finalmente, gostaria de falar um pouco sobre o belo trabalho desenvolvido pelo sebista e editor Abimael Silva, fundador do Sebo Vermelho, existente desde o ano de 1985. Intelectual, incentivador cultural e grande conhecedor da história do Rio Grande do Norte, Abimael, tem grande protagonismo na difusão historiográfica potiguar. Pois além de livreiro, o Sebo Vermelho também é editora (único no Brasil) e já lançou, até agora, mais de 500 títulos. Em sua grande maioria voltados a história, literatura e poesia do RN.  Isso sem qualquer incentivo do poder público, em nenhuma esfera, ou mesmo edital de incentivo. Famoso ponto de encontro no centro da cidade, o Sebo reúne escritores, intelectuais, historiadores e amantes da cultura potiguar. Entre as principais obras já lançadas pela editora, destaque para Antologia Poética do Rio Grande do Norte, publicado originalmente em 1922 e reeditado pelo selo em 1993 pelo Sebo Vermelho. Destaque também para a obra Os Americanos em Natal, do historiador Lenine Pinto que retrata a cidade durante a Segunda Guerra Mundial, quando se tornou uma base dos Estados Unidos e sofreu forte influência da cultura americana. 

Assim, fica nosso convite para que possamos conhecer, visitar e, por que não, prestigiar o trabalho desses incansáveis desbravadores da cultura e que possamos levar a cultura do livro e da leitura para o maior número de pessoas possível.


* Possui Graduação em Filosofia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte-UFRN (2012), Pós-Graduação em Ensino de Filosofia no Ensino Médio pela UFRN (2016), Pós-Graduação em Literatura e Ensino pelo IFRN (2015), Mestrado em Filosofia Política pelo PPGFIL/UFRN (2017), Acadêmico do Curso de História – UFRN e Graduado em Marketing pela Universidade Potiguar (2008). Publicou em coautoria os livros FORMAÇÃO DE PROFESSORES (Natal, ed. EDUFRN, 2013), ENSINO DE FILOSOFIA: EXPERIÊNCIAS E PROBLEMATIZAÇÕES (São Paulo, ed. Pontes, 2014) e FILOSOFIA E EDUCAÇÃO: DESAFIOS E RESISTÊNCIAS (João Pessoa, ed. Ideia, 2017). Atuou como Professor Substituto no Departamento de Filosofia da UFRN (2015 e 2016), Professor Substituto de Filosofia no Instituto Federal – IFRN Campus-Cidade Alta (2018-2020). Atualmente é professor do quadro efetivo da Secretária Estadual de Educação atuando nas cidades de Natal e Extremoz.

Nenhum comentário