Brasil ultrapassa marca de 30 milhões de pessoas vacinadas contra a covid-19


35
Foto: RICARDO MORAES/REUTERS – 26.04.2021

O Brasil superou, nesta terça-feira (27), a marca de 30 milhões de pessoas vacinadas contra a covid-19. Até a última atualização desta matéria, 30.171.054 pessoas receberam a primeira dose da vacina, segundo o Vacinômetro do R7, o que corresponde a 14,25% da população, sendo que 13.777.890 já receberam a segunda dose e estão completamente imunizadas.

De acordo com a plataforma Our World In Data, ligada à Universidade de Oxford, o Brasil é 12º colocado no ranking mundial de vacinação no que diz respeito à quantidade de pessoas imunizadas com a primeira dose da vacina. Em relação ao número de doses administradas, o país ocupa o 5º lugar no ranking.

A meta do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, de vacinar um milhão de pessoas por dia foi atingida algumas vezes durante o mês de abril, mas não se tornou rotina. Além disso, o Ministério da Saúde informou que cerca de 1,5 milhão de pessoas não retornaram no prazo estipulado para receber a segunda dose.

Ainda segundo a pasta, o PNI (Programa Nacional de Imunizações) já distribuiu mais de 57 milhões de doses das vacinas em uso no Brasil (CoronaVac e vacina de Oxford) para serem aplicadas na população.

O Instituto Butantan, representante da CoronaVac no país, atrasou a entrega de
3,2 milhões de doses das 46 milhões que deveriam ter sido entregues até o fim de abril, como previsto no contrato com o Ministério da Saúde. O instituto afirmou que deve retomar a entrega das vacinas no próximo dia 3 de maio.

Nesta segunda-feira o Ministério da Saúde passou a incluir gestantes como grupo prioritário para receber a vacina contra a covid-19 no Brasil.

“Novas evidências mostram um risco maior de hospitalização das gestantes e puérperas, optamos por incluir os grupos como grupo prioritário. Vamos fazer a vacinação em duas fases, primeiro as gestantes que apresentam comorbidades e depois independente de terem alguma condição pré-existente ou não”, afirmou Franciele Francinato, coordenadora do PNI.

R7

Nenhum comentário