Cosern acaba com 40 'gatos' em comércios da Ceasa

 


Equipes técnicas da Cosern, com apoio da Polícia Militar, identificaram e desativaram 40 ligações clandestinas de energia elétrica (o popular "gato") em comércios localizados dentro da Central de Abastecimento do Estado (Ceasa), em Natal, nessa quinta-feira (11). A ação fez parte de mais uma fase da “Operação Varredura” da Cosern. O responsável por um comércio de frutas e verduras foi preso em flagrante no local pela polícia e conduzido para a Delegacia Geral de Polícia (Degepol), no bairro de Lagoa Nova.

De 01 de janeiro até agora, três pessoas já foram presas pela polícia cometendo irregularidades (fraudes e furtos) em todo estado. Em 2020, foi de oito o número de presas em 23 ações policiais desse tipo e a Cosern recuperou mais de 2 GWh de energia que estava sendo desviada (volume suficiente para abastecer, por exemplo, os municípios de Grossos ou de Monte Alegre por 30 dias).

A fraude é quando o consumidor já é cliente da Cosern e manipula o medidor de energia com o objetivo de reduzir o consumo faturado. Já o furto consiste em desviar energia diretamente da rede elétrica da Cosern sem a medição do consumo e o conhecimento da distribuidora.

“O gato de energia é crime previsto no artigo 155 do Código Penal e a pena para o responsável pela fraude pode chegar a 08 (oito) anos de reclusão” explica Gilmar Mikeias, Gerente de Recuperação da Receita da Cosern.

“Além de crime, o “gato” representa risco de morte a quem faz e a quem está próximo. A ligação clandestina também provoca perturbações no fornecimento de energia da região e pode causar a queima de eletrodomésticos dos vizinhos”, complementa o Gerente.

De acordo com Júlio Giraldi, Superintendente de Relacionamento com Clientes da Cosern, as ações de combate às ligações clandestinas serão intensificadas ao longo de 2021. “Vamos investir ainda mais em tecnologia e inteligência para dificultar cada vez mais a realização desse tipo de crime”, declarou Júlio. A população pode denunciar as fraudes, de forma anônima e segura, no telefone 116 ou no site da Cosern (www.cosern.com.br).

Nenhum comentário