Apicultores de Bom Jesus comemoram conclusão da nova casa de mel

 


Um grupo de apicultores de Bom Jesus está cada dia mais perto de realizar um sonho. Produtores de mel desde 2006, eles finalmente estão com a casa de mel pronta, à espera da nova safra para começar a produzir. Com a estrutura construída pelo Governo do Estado, terão selo de inspeção estadual e poderão vender para grandes redes de supermercados.

 

“Sentimos que nosso sonho está mais perto e ao alcance de nossas mãos. Queremos muito o selo de inspeção estadual, porque nas condições de produção de antes, não era possível”, comenta o secretário da Associação dos Apicultores e Agricultores de Bom Jesus (Apibom), Klauss Victor.

 

O Governo do RN investiu mais de R$ 400 mil para construir a casa de mel e equipá-la, por meio do Edital de Registro Sanitário do projeto Governo Cidadão e recursos do empréstimo junto ao Banco Mundial. O objetivo principal do investimento foi adequação da casa de mel para registro sanitário estadual, com construção de uma sala para estocagem das embalagens, aquisição de colmeias e equipamentos, pavimentação da entrada de acesso à casa de mel e arredondamento entre parede e piso.

 

“O fomento à agricultura familiar e o incentivo aos produtores e produtoras é uma marca da gestão da governadora Fátima. Unimos esforços no Governo Cidadão para que projetos como o da Apibom fossem finalizados e os apicultores pudessem realizar o sonho de produzir mel certificado”, pontua o secretário de Gestão de Projetos e Metas, Fernando Mineiro.

 

O grupo de 22 produtores de mel começou de baixo. Após passarem por um curso de apicultura em 2005, viram uma ótima oportunidade de agregar renda com a atividade. Resolveram então construir um pequeno quarto, que servia para a extração de mel. Ganharam uma centrífuga do Governo do Estado e, assim, iniciaram a produção. Quatro anos depois, através do antigo Programa de Desenvolvimento Solidário (PDS), construíram a primeira casa de mel com as próprias mãos.

 

Em 2020, produziram mais de 12 toneladas de mel, e esperam um incremento de 40% em 2021, chegando a até 20 toneladas, caso as condições climáticas sejam favoráveis. Ao longo deste ano os associados querem organizar toda a parte burocrática do negócio, inclusive a obtenção do selo de inspeção estadual. Atualmente toda a produção é entregue a atravessadores, que levam o mel para o Ceará. Com a casa de mel certificada, eles querem vender a supermercados e grandes redes de todo o Rio Grande do Norte.

Nenhum comentário