CoronaVac no Brasil não atingiu 90% de eficácia, diz secretário de Saúde

 


O secretário de Saúde do Estado de São Paulo, Jean Gorinchteyn, afirmou que a CoronaVac, vacina anti-covid desenvolvida pela chinesa Sinovac, não atingiu os 90% de eficácia nos testes realizados no Brasil. O imunizante é produzido em solo nacional pelo Instituto Butantan, através de parceria do governo do Estado de S. Paulo com a farmacêutica.

“Nós não sabemos o quanto acima de 50% ficou, se foi 60%, 70% ou 80%. Mas eles [os valores] estão em níveis que nos permitem fazer redução de impacto de doença na nossa população, diminuindo o número de pessoas com doença grave e que infelizmente vêm a morrer”, disse Gorinchteyn na noite dessa 5ª feira (24.dez) em entrevista à rádio CBN.

Segundo Gorinchteyn, já era esperado que a eficácia ficasse abaixo dos 90%, por causa do método utilizado para a fabricação da vacina, o do vírus inativado.

“Elas produzem uma proteção menor. A vacina da gripe tem uma variação que vai de 40% a 80% em determinados grupos”, falou.

“Sabemos que a efetividade jamais atingiria 90%. Mas o que nós não imaginávamos era que a empresa queria uma unicidade, um resultado muito próximo em todos os países.”

Gorinchtey explicou que a Sinovac observou valores de eficácia diferente nos países que realizaram a testagem. Por isso, decidiu rever os dados.

A Turquia anunciou na 5ª feira (24.dez) que os testes feitos no país, com cerca de 1.300 voluntários, indicaram que a CoronaVac tem eficácia de 91,25%.

No Brasil, os testes foram feitos com 13.000 voluntários. Na 4ª feira (23.dez), o governo de São Paulo informou que o imunizante teve sua eficácia suficientemente comprovada para poder solicitar o uso emergencial, mas não deu mais detalhes.

“Obtermos a eficácia [acima do mínimo de 50%] foi extremamente importante principalmente num momento como esse em que temos recrudescência da pandemia em nosso país, no nosso Estado, com incremento das ocupações de leito e mortes”, disse Gorinchtey.

PODER 360

Nenhum comentário