10 países iniciaram a imunização; entenda a corrida pela vacina

 


Na corrida contra o coronavírus, há 19 vacinas em desenvolvimento no mundo que estão na 3ª fase de testes clínicos. Destas, 8 foram liberadas para uso emergencial em diversos países, e duas obtiveram o registro para o uso definitivo. Os dados são do Rastreador de Vacinas de Coronavírus, desenvolvido pelo jornal The New York Times.

Já é possível dizer que a vacina contra a covid-19 é a que foi desenvolvida em menor tempo em toda a história. Antes, o recorde era do imunizante produzido para evitar a caxumba –demorou 4 anos e parou de ser usado nos anos 1970, porque a imunidade tinha curta duração.

De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), há 61 vacinas sendo testadas em humanos no mundo e 172 em fases pré-clínicas, ou seja, sendo testadas em animais.

A vacina desenvolvida pela farmacêutica norte-americana Pfizer, em parceria com o laboratório alemão BioNTech, é a que mais teve autorizações para o uso emergencial. Já foi liberada em 18 países, além da União Europeia, para a imunização de grupos específicos.

A Suíça foi a 1ª e única até agora a registrar o imunizante da farmacêutica norte-americana para o uso definitivo. A agência reguladora do país demorou 2 meses para analisar a vacina. A autorização foi divulgada em 19 de dezembro.

ENTENDA AS FASES NA PESQUISA DAS VACINAS:

Fase 1 – uma pequena quantidade de pessoas é testada para verificar reações adversas e o nível de resposta imune. Leva até 6 meses;

Fase 2 – o indivíduo é exposto à contaminação do vírus para verificar o nível de proteção. O número de cobaias varia por idade, gênero e etnia em várias partes do mundo. A conclusão do processo dura até 1 ano;

Fase 3 – testagens em massa com a substância. Pode demorar até 1 ano e meio. A análise dos dados obtidos nessa fase pode levar ao registro e aprovação para uso comercial da substância;

Fase 4 – vacina disponibilizada para a população. Nessa fase ainda podem ser detectados efeitos colaterais que não eram conhecidos, mas a vacina já é considerada segura o suficiente para ser aplicada em massa.

CHINA FOI 1º PAÍS A LIBERAR VACINA

A China, onde o novo coronavírus foi descoberto, foi o 1º país a iniciar a vacinação contra a covid-19 de forma emergencial. Desde julho alguns grupos de chineses, como militares e pessoas que viajaram ao exterior, já estão sendo vacinados com imunizante desenvolvido pela Sinopharm (Grupo Nacional de Biotecnologia da China) em parceria com o Instituto de Produtos Biológicos de Pequim.

Não há dados recentes sobre o número de pessoas que já foram imunizadas na China. Porém, em novembro, a Sinopharm informou que quase 1 milhão de pessoas já haviam tomado a vacina no país.

Outra vacina que já está sendo aplicada na China é a CoronaVac, desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, órgão vinculado ao governo do Estado de São Paulo. A imunização é centralizada nos grupos de risco (idosos, gestantes e pessoas com comorbidades) e em equipes médicas.

No Brasil, a CoronaVac enfrenta resistência do governo federal. Em 21 de outubro, em ato contrário à vacina da China, o presidente Jair Bolsonaro cancelou 1 acordo firmado pelo Ministério da Saúde para aquisição de 46 milhões de doses do imunizante. Um novo contrato agora está em negociação.

O governo de São Paulo iria apresentar o resultado dos testes clínicos do CoronaVac à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) na 4ª feira (23.dez.2020). No entanto, a divulgação e o envio do estudo à agência foram adiados, assim como o pedido para o uso emergencial e definitivo do imunizante.

Segundo Dimas Covas, presidente do Instituto Butantan, o envio dos resultados à Anvisa vai ocorrer somente após a Sinovac analisar os resultados enviados nesta 4ª (23.dez).

Além da China, outros 9 países já começaram as campanhas de imunização contra o novo coronavírus.

O Reino Unido foi o 1º país a vacinar grandes parcelas da população depois de o imunizante passar por todas as etapas da validação científica e conseguir a aprovação emergencial, em 8 de dezembro. A 1ª ser vacinada foi uma idosa de 90 anos.

O México deve iniciar a imunização nesta 5ª feira (24.dez.2020), na véspera de Natal.

Cinco farmacêuticas divulgaram resultados sobre a eficácia de seus imunizantes depois de análises dos testes clínicos.

O Poder360 compilou os dados para o que o leitor tenha acesso aos documentos e comunicados dos estudos divulgados até agora:

Sputnik V – 91,4%;

Sinopharm-Pequim – 86%;

Moderna – 94,5%;

Pfizer-BioNTech – 95%;

Oxford-AstraZeneca – até 90%.


COVID-19 NO MUNDO

Atualmente, de acordo com o monitor do site Worldometers, o mundo registra mais de 78 milhões de casos de coronavírus. São mais de 1,7 milhões de mortes por causa da doença.

A maior preocupação dos países hoje é com o avanço da 2ª onda da pandemia de covid-19. Desde outubro, é identificada a alta constante no número de caso de covid-19. Na Europa, o número de casos disparou. A maioria dos países europeus voltaram a adotar medidas que restringiam a circulação de pessoas.

Além disso, uma nova variante do Sars-CoV-2, coronavírus responsável pela covid-19, foi identificada. De acordo com a OMS, há confirmação no Reino Unido, na Dinamarca, Holanda e Austrália.

Na Europa, França, Itália, Áustria, Alemanha, Bélgica, Holanda, Irlanda, Luxemburgo, Portugal e Bulgária suspenderam voos procedentes do Reino Unido ou que tenham o país como destino. Países da América Latina também decidiram fechar suas fronteiras para viajantes procedentes do país.

PODER 360

Nenhum comentário