Comitê de especialistas lança nova recomendação para enfrentamento da pandemia


 

O comitê consultivo de especialistas da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) para o enfrentamento da pandemia pela Covid-19 emitiu esta semana uma nova recomendação (Nº20/2020). O documento apresenta as tendências observadas no Rio Grande do Norte e as estratégias a serem seguidas pelos municípios e pelo Estado no combate à doença.

A análise feita aponta que a epidemia no RN possui dinâmicas diferentes entre as regiões de saúde. Até 26 de outubro, por exemplo, a Variação Percentual Diária (VPD) do número de casos confirmados de Covid-19 aponta crescimento de 2% ao dia.

O documento destaca que se a tendência de queda de casos que ocorreu ao longo do mês de agosto tivesse permanecido, teríamos hoje um número bem menor de casos diários, provavelmente algo em torno de 40 casos e não os 263 registrados em 26 de outubro.

A 6ª Região, com sede em Pau dos Ferros, é a que mais chama atenção, já que os dados observados mostram que ainda não houve um pico da doença e os casos são crescentes desde meados de julho.

Óbitos

Com relação aos óbitos, observa-se que no mês de maio o número de óbitos diários triplica e o pico ocorre em 21 de junho, com 33 óbitos. A partir daí há uma queda sustentável, com -2,2% ao dia até 26 de outubro. À semelhança dos casos, há uma desaceleração na queda em setembro, porém sem indícios de aumento. Na capital do estado, Natal, a curva de óbitos atinge o pico em 4 de julho, com média diária de 16 óbitos. A partir daí há uma queda, sustentável, com -3,0% ao dia até 26 de outubro. O número de óbitos novos está em torno de menos de 1 óbito por dia desde o fim de setembro

Indicador composto

O indicador composto para monitoramento da pandemia pela covid-19 no RN foi criado para se ter uma visão global da epidemia nos municípios. Ele é composto por nove variáveis, relativas à assistência (ocupação de leitos), à situação epidemiológica (tendência de casos e óbitos e taxas populacionais) e à testagem.

A partir da combinação destas variáveis e do estabelecimento de limites aceitáveis, os municípios são classificados nos escores 1 e 2 (verde), 3 e 4 (amarelo) e 5 (vermelho). Até 09 de novembro grande parte dos municípios se encontra nos escores 1 e 2, entretanto ainda existem 14% dos municípios (que representam 15% da população) que estão na categoria 3 (amarela), portanto com indicadores que merecem atenção por parte dos gestores.

O comitê alerta que a cessação do processo de queda e o aumento no número de casos indicam que a epidemia ainda não está sob controle. “A tendência de aumento observada em outubro, embora pequena, deve ser monitorada cotidianamente, no sentido de verificar se irá atingir níveis que possam impactar na rede assistencial”, sugerem os especialistas.

Recomendações

Foram listadas 11 recomendações ao estados e municípios, entre elas: o fortalecimento das ações de prevenção e monitoramento; ações de comunicação para melhorar o acesso à informação e sensibilização da população; qualificação das ações educativas - principalmente nos municípios litorâneos e nas divisas com os estados da Paraíba e Ceará; rastreio de casos suspeitos nos voos e aeroporto, entre outras medidas.

Há ainda uma importante recomendação sobre o uso de termômetros infravermelhos. Apesar dos informes da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e de outros órgãos, os estabelecimentos comerciais adotaram como padrão a medição no pulso e não mais na testa, contrariando as normas dos fabricantes e levando a medição errada da temperatura, podendo, inclusive, não detectar aumento de temperatura em paciente febril, apresentando risco sanitário.

O COREN-MS, no parecer técnico 05/2020, de 20 de agosto de 2020, informa que “o termômetro digital infravermelho sem contato está programado para aferição de temperatura na região têmporo-frontal (testa), não sendo possível avaliar outro local do corpo humano”. O comitê sugere a atuação da Vigilância Sanitária junto aos estabelecimentos comerciais orientando a utilização do termômetro digital.

Nenhum comentário