Bolsonaro pula no mar para encontrar com banhistas, que depois xingam Doria

O presidente Jair Bolsonaro pulou no mar nesta 6ª feira (1º.jan.2020) para encontrar com banhistas na Praia Grande, reduto popular no litoral paulista. O presidente está passando os feriados de final de ano no Guarujá, município próximo. Com a praia lotada, pessoas se aglomeraram ao redor do presidente dentro da água. Os apoiadores gritaram “mito” e ofensas ao governador de São Paulo, João Doria.

A comitiva presidencial estava em um barco navegando paralelamente à costa acenando para a população. Em certo momento, o presidente entra na água acompanhado de seus seguranças e nada até onde estava a maior quantidade de pessoas. Ao fim do encontro, Bolsonaro nadou de volta para a embarcação.

Quando Bolsonaro deixou o local, era possível ouvir alguns banhistas gritando: “Ei, Doria, vai tomar no cu”. O presidente publicou o vídeo em seus perfis nas redes sociais, mas o trecho da ofensa foi cortado.

O governador de São Paulo usou sua conta no Twitter para responder à publicação. Disse que o presidente gosta mesmo “cheiro da morte, do cheiro da pólvora e do cheiro do dinheiro das rachadinhas”. Além disso, responsabilizou a gestão do presidente pelas mais de 190 mil mortes por covid-19 no Brasil e cobrou: “Trabalhe mais e fale menos”.

Depois, o secretário especial de Comunicação do Ministério das Comunicações, Fábio Wajngarten, também foi ao Twitter para provocar Doria. Ele criticou o enrijecimento das medidas restritivas contra a covid-19 decretadas pelo governador e sua viagem à Miami de férias, que depois foi cancelada pelo tucano.

Na véspera de Natal, Doria teve que se desculpar pela viagem. Doria cancelou a licença de 10 dias após o vice-governador, Rodrigo Garcia (DEM), ter sido diagnosticado com covid-19 em 23 de dezembro. Ele ocuparia o cargo como interino.

Um dia antes, o governo paulista anunciou o retorno à fase vermelha de restrições de atividades, de 25 a 27 de dezembro e de 1º a 3 de janeiro de 2021. Apenas serviços essenciais como transporte, saúde, padarias, mercados e farmácias poderão funcionar nessas datas.

O Executivo paulista também comunicou que nenhuma região deverá retornar à fase verde –a penúltima na escala de abrandamento– durante o mês de janeiro.

PODER 360

Nenhum comentário