63% acham que a pandemia está mais grave no Brasil, mostra pesquisa

 


A percepção de risco com a covid-19 cresceu, e, agora, 63% da população brasileira diz que a pandemia está mais grave quando comparada a duas semanas atrás. Os resultados são de pesquisa PoderData realizada de 18 a 20 de janeiro com 2.500 pessoas em 544 cidades.

Para 25% desses entrevistados, a situação do vírus no Brasil está do mesmo jeito, enquanto só 8% acham que a circulação é menor do que antes.

Na última vez que o PoderData abordou o assunto, em novembro, eram 42% os que achavam que a crise do coronavírus estava se agravando. À época, os indicadores indicavam uma desaceleração da contaminação. Pouco depois, a situação piorou novamente.

O Brasil hoje vive um repique de casos e mortes, registrado depois das festas de fim de ano. O Ministério da Saúde contabilizava até 5ª feira (21.jan), 8.697.368 casos confirmados da doença e 214.147 mortes.

As médias móveis estão em trajetória ascendente nos últimos dias. Em janeiro, o país voltou a registrar rotineiramente mais de 1.000 mortes notificadas diariamente.

Os casos também chegaram a patamar recorde, registrando também em janeiro sua maior taxa na média móvel desde o início da pandemia.

A pesquisa foi realizada pelo PoderData, divisão de estudos estatísticos do Poder360. A divulgação do levantamento é feita em parceria editorial com o Grupo Bandeirantes.

Os dados foram coletados de 18 a 20 de janeiro de 2021, por meio de ligações para celulares e telefones fixos. Foram 2.500 entrevistas em 544 municípios, nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais. Saiba mais sobre a metodologia lendo este texto.

Para chegar a 2.500 entrevistas que preencham proporcionalmente (conforme aparecem na sociedade) os grupos por sexo, idade, renda, escolaridade e localização geográfica, o PoderData faz dezenas de milhares de telefonemas. Muitas vezes, mais de 100 mil ligações até que sejam encontrados os entrevistados que representem de forma fiel o conjunto da população.

DESTAQUES DEMOGRÁFICOS

Leia abaixo os recortes por sexo, idade, região, escolaridade e renda. Entre parênteses, os percentuais, proporcionais, sobre a percepção dos brasileiros em relação à pandemia.

As mulheres (71%), os com 60 anos ou mais (79%), os com ensino superior (71%), os moradores do Norte (71%) e os que ganham de 5 a 10 salários mínimos (74%) são, proporcionalmente, os que mais acham que a crise do coronavírus está mais grave.

PERCEPÇÃO COM A PANDEMIA X AVALIAÇÃO DE BOLSONARO

Entre os que apoiam o presidente (que o consideram “ótimo” ou “bom”), só 48% dizem que a pandemia está mais grave. Taxa entre os que o rejeitam, de 71%, é 8 pontos percentuais maior que a percepção geral.

Os bolsonaristas também são os que acham que a crise está menos grave do que a duas semanas atrás: 15%, ante 8% quando consideram-se todos os grupos.

PODER 360

Nenhum comentário