O último adeus ao pequeno José Carlos

 


Após quase um mês de angústia, a família do menino José Carlos pôde finalmente dar o último adeus à criança. Em velório realizado na manhã nesta quinta-feira (19), familiares, amigos e vizinhos choraram a morte do pequeno. Em seguida, aconteceu o sepultamento no cemitério do Igapó. 

No velório, o caixão pequeno, colocado ao centro, esteve rodeado por aqueles que desejaram se despedir da criança. Ao lado, os irmãos e a mãe, Ozenilda das Dores. Um momento de oração foi conduzido pelos amigos que ali estavam. Veja o vídeo:


Familiares fazem momento de oração em velório de José Carlos | Video: Roberta Trindade/TV Tropical

O corpo foi velado na quadra de esportes do bairro Pajuçara, zona norte de Natal, local onde a criança costumava brincar com os amigos. O cortejo seguiu até o cemitério do Igapó, também na zona norte, onde houve, por fim, o sepultamento.  


Corpo de José Carlos é enterrado em Cemitério do Igapó | Vídeos: Roberta Trindade/TV Tropical

A angústia sentida desde o desaparecimento de José Carlos, no dia 21 de outubro, não termina, nesta quinta-feira, com o sepultamento. Isso porque o autor do crime ainda segue desconhecido. Além disso, a causa da morte foi classificada como ‘indeterminada’ pelo Instituto Técnico-Científico de Perícia (Itep). 

Em Declaração de Óbito entregue à mãe, consta a informação de que não foi possível determinar o que motivou a morte da criança. Até a publicação desta matéria, o Itep não havia se pronunciado oficialmente para esclarecer o que levou a essa conclusão. 

Mãe de José Carlos segura Declaração de Óbito emitida pelo Itep | Foto: Roberta Trindade/TV Tropical

Como o corpo foi encontrado em estado avançado de decomposição, apenas os ossos foram encaminhados para análise. Os exames realizados não identificaram marcas de disparos de arma de fogo no esqueleto. Apesar disso, a possibilidade não está descartada, já que o disparo poderia ter adentrado em alguns dos órgãos, que foram todos decompostos pelo solo.  

O Itep deve seguir analisando as roupas do garoto e um fio que foi encontrado amarrado às pernas da vítima. A investigação para saber se José Carlos foi violentado sexualmente também deve ocorrer. Além disso, há a suspeita de que o homicídio tenha ocorrido em outro local e o corpo tenha sido arrastado com o auxílio do fio que foi encontrado. 

Todas essas questões, juntamente com a identificação do assassino, devem ser esclarecidas pela Polícia Civil, que segue em investigação sigilosa. 

José Carlos, de 8 anos, desapareceu no dia 21 de outubro | Foto: Cedida

O caso

José Carlos, de apenas 8 anos, desapareceu no dia 21 de outubro, por volta das 10h, quando saiu de casa para deixar um lanche para o irmão mais velho, que estava trabalhando no cruzamento das avenidas João Medeiros Filho e Moema Tinôco. A família registrou boletim de ocorrência no dia 22 de outubro, quando começaram as buscas pelo garoto. 

Somente no dia 12 de novembro, o corpo foi encontrado enterrado em cova rasa, em um terreno nas proximidades da casa onde José Carlos residia com a família. O cadáver já estava em estágio avançado de decomposição e apenas os ossos seguiram para análise do Itep. Na terça-feira (17), o instituto confirmou que o corpo se tratava, de fato, de José Carlos. 

Nesta quinta-feira (19), a causa da morte da criança foi classificada como indeterminada. Até o momento, pelo menos 10 pessoas já foram ouvidas pela Polícia Civil, em investigação que segue sigilosa, a fim de descobrir quem matou o pequeno José Carlos. 

Qualquer informação que possa ajudar a elucidar o caso, pode ser reportada, por meio de denúncia anônima, à Polícia Civil.


PORTAL DA TROPICAL

Nenhum comentário