Infrator ou vítima? Detran apresenta campanha da Lei Seca ao MP


“Infrator ou vítima? Quem é você quando bebida e direção se misturam?” Esse é o tema da nova etapa da campanha educativa de trânsito do Governo do Estado, por meio do Detran/RN (Departamento Estadual de Trânsito), apresentada nesta quarta-feira (20), ao Ministério Público Estadual, Executiva Propaganda, agência licitada do órgão. As peças publicitárias seguem a linha emocional e impactante da campanha #CurtoDirigirBem, lançada em junho deste ano, mas agora com foco na Lei Seca. 

“Depois de focar nos motociclistas e nos riscos do uso de celular ao volante, é hora de voltarmos a atenção para um trabalho tão importante que é educação no trânsito. Faremos ações de blitz mais educativas, conscientizando a população, evitando consumo de álcool ao volante. Além da conscientização dos motoristas, vamos continuar o trabalho de fiscalização, principalmente nas praias com a Operação Verão”, alerta o Diretor Geral do Detran-RN, Eduardo Machado.  

Algumas peças da campanha, criada pela Executiva Propaganda, já puderam ser veiculadas durante o Carnatal, no início do mês. “A intenção é levar a campanha para os lugares frequentados pelo público-alvo. As peças estarão em bares e festas da cidade, por exemplo. Queremos fazer os motoristas refletirem que eles podem ser infratores ou vítimas, depende da atitude deles. Vamos reforçar o conceito da coerência, da consciência no trânsito”, explica Odemar Neto, diretor da Executiva Propaganda. 

A campanha será veiculada ainda nas emissoras de TV e rádio, cinemas, internet, outdoor, busdoor e outras mídias. 

O Ministério Público Estadual aprovou a campanha. O MP já desenvolve o Projeto Vida no Trânsito, que recebe recursos do Ministério da Saúde para desenvolver ações de redução de acidentes, bem como de vítimas, o que consequentemente, reduz os gastos do Sistema Único de Saúde (SUS). 

“O custo de acidentes no trânsito é muito alto, e todos nós pagamos essa conta. A campanha é muito válida para que as pessoas possam refletir também sobre isso. Às vezes, elas não têm consciência das consequências dos seus atos. É preciso dar um choque na população. Muita gente ainda bebe e dirige, colocando em risco a própria vida e a de quem não tem nada a ver com isso”, lembra a promotora de saúde do MP, Raquel Ataíde.

Nenhum comentário