“Gato” na rede elétrica é crime e prejuízo para o bolso de todos


A Cosern, empresa do Grupo Neoenergia, divulgou um balanço parcial das ações de combate às ligações clandestinas de energia elétrica (o popular “gato” na rede), feitas até a 1ª quinzena de outubro.

Nesse período, a concessionária recebeu 2 649 denúncias em todo estado, todas comprovados pelas equipes de campo. Na maioria dos casos, os “gatos” de energia foram retirados com apoio da polícia, tanto para garantir a segurança dos eletricistas da concessionária quanto para embasar o processo judicial que é aberto logo em seguida à prisão.

O desvio de energia elétrica é crime, previsto no artigo 155 do Código Penal, e a pena pode chegar a quatro anos de reclusão. Além de crime, o gato representa risco de morte a quem faz e a quem está próximo. Além disso, a infração causa prejuízo na qualidade do fornecimento de energia e parte do prejuízo é dividida por todos os consumidores na hora do reajuste tarifário homologado pela Aneel anualmente.

A estimativa da Cosern é de que, por ano, são desviados 60 milhões de kWh de energia elétrica – o que representa um prejuízo de R$ 25 milhões à concessionária. Numa simulação, daria para utilizar a energia furtada para abastecer:
* 33 mil casas durante 1 ano; ou
* O município de Macau ou o bairro de Nossa Senhora da Apresentação, em Natal, durante 1 ano; ou
* O município de Mossoró durante 1 mês; ou
* Todas as residência da Zona Sul de Natal durante 3 meses.

A Cosern continuará com as fiscalizações e solicita à população que denuncie ligações clandestinas de energia elétrica no telefone 116.

Nenhum comentário