Aids: anticorpo é capaz de atacar até 99% do vírus HIV


Cientistas conseguiram desenvolver um anticorpo capaz de atacar até 99% das cepas do vírus da aids. De acordo com um estudo publicado na quarta-feira na renomada revista científica Science, o anticorpo foi capaz de prevenir a infecção em primatas. A próxima etapa, que está programada para 2018, irá estudar sua capacidade em prevenir ou tratar a infecção em humanos. A descoberta foiconsiderada um “avanço emocionante” pela Sociedade Internacional de Aids, de acordo com informações da rede britânica BBC.
Mutações e super anticorpo

Um dos grandes desafios na batalha contra o HIV está na grande habilidade de mutação do vírus, o que faz com ele mude de aparência quando já está dentro do corpo, criando várias “cepas” diferentes e fazendo com que o sistema imunológico tenha que combater um número imensurável de cepas do mesmo vírus simultaneamente. Para efeito de comparação, tais variações são similares ​​às do vírus influenza (da gripe) durante um surto mundial.

Mas, após anos de infecção, o organismo de alguns pacientes desenvolve “anticorpos de ampla neutralização”, uma espécie de armar capaz de matar grandes extensões de cepas do HIV. O grande feito dos pesquisadores foi conseguir combinar três desses ‘super anticorpos’ em um “triplo anticorpo específico” ainda mais poderoso.

“Eles são mais potentes e têm uma amplitude maior do que qualquer anticorpo natural que tenha sido descoberto”, disse Gary Nabel, diretor científico da Sanofi e um dos autores do estudo. Para se ter ideia, os anticorpos naturais mais fortes atingem 90% das cepas de HIV. O novo tem uma cobertura de 99%.

Teste em animais

Para testar a eficácia do novo anticorpo, os pesquisadores o injetaram em 24 macacos que, em seguida, foram infectados pelo vírus HIV. Para sua surpresa, nenhum dos primatas desenvolveu a infecção. “Foi um grau impressionante de proteção”, declarou Nabel.

A pesquisa, que contou com a participação de cientistas da Escola Médica de Harvard, do Instituto de Pesquisas The Scripps e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, é resultado de uma parceria entre o Instituto Nacional de Saúde (NIH, na sigla em inglês) dos Estados Unidos e a farmacêutica Sanofi.

REVISTA VEJA

Nenhum comentário