Água é tudo na vida da gente”. A frase é da agricultora Maria de Fátima França, 55, moradora do Sítio Camelo, em São Bento do Trairi, distante 143 km de Natal. O reconhecimento da importância da água tem um motivo: Fátima vive há 43 anos no lugar e nunca teve o bem abundante em casa. Mas essa realidade começou a mudar depois que a Associação dos Produtores Rurais do Sítio Camelo foi classificada no programa de Acesso à Água do Governo do RN, realizado pela Sethas e Governo Cidadão com recursos do acordo de empréstimo com o Banco Mundial. Os investimentos somam R$ 210,5 mil e incluem a perfuração de três poços tubulares – já em funcionamento – e a instalação de cinco barreiros trincheiras do tipo familiar, com capacidade de armazenamento de 594 mil litros.
A escassez conviveu diariamente com as 32 famílias da comunidade nas últimas décadas.“Já tivemos cisternas, sistema de sinalizador, mas não temos açudes de grande porte nem reservatórios aqui perto”, conta Fátima. Mesmo que a distribuição ainda não esteja pronta para chegar às casas, só o fato de ter água doce jorrando do poço já mudou a vida de muita gente.
Fátima, por exemplo, começou sua pequena horta e diariamente rega os pés de alface, cebolinha, coentro, rúcula e couve, que servirão para o consumo da família. “Vamos poder produzir nossa própria comida de forma sadia e orgânica, sem agrotóxico. O que a gente produz, a gente não compra. É uma vitória muito grande para a comunidade”, comemora a agricultora, que também é presidente da associação.
Os três poços foram instalados em diferentes lugares para atender todos os grupos familiares. A associação será responsável pelo gerenciamento da água. Ainda há os barreiros trincheiras, que também serão de uso coletivo. A água proveniente do poço tubular deverá, também, ser utilizada para irrigar a pequena área de horta comunitária, mantida pelas mulheres. A produção obtida na horta será para consumo próprio e, caso haja algum excedente, será comercializado na própria comunidade e/ou no município.
A iniciativa inclui a perfuração de três poços tubulares com vazão mínima de 500 litros por hora, instalação de dois poços perfurados, construção de uma caixa d’água com capacidade para armazenar 32 mil litros, implantação de barreiros trincheiras com capacidade de armazenamento de 594 mil litros, dois pontos de distribuição e implantação do sistema simplificado de reuso das águas cinza nas residências das 32 famílias envolvidas no projeto.
De acordo com o secretário de Gestão de Metas e Projetos, Vagner Araújo, o objetivo do projeto é ampliar as tecnologias de captação de água presentes na comunidade e contribuir para o abastecimento dos animais e a produção agrícola. “A água que irá abastecer as casas será reutilizada pelos moradores por meio do sistema de reuso de água cinza, que também será instalado no local. É uma nova vida que começa para essas famílias”, destaca.
Atualmente o Governo Cidadão tem 150 projetos de acesso à água em execução no estado, totalizando um investimento de R$ 33,3 milhões e que beneficiará seis mil famílias - 20,4 mil pessoas - em 72 municípios.

Nenhum comentário