7ª edição do Festival MPBJazz traz homenagens dos artistas Potiguares a Grandes Nomes da Música Brasileira

 

FOTO: DIVULGAÇÃO/ASSESSORIA

O projeto MPBJazz celebra 10 anos de existência e realiza a sua 7ª edição em formato virtual, nos dias 01, 02 e 03 de julho, com exibição no canal da Green Point Produções no YouTube e pela TV Universitária.  A exemplo das edições anteriores, o projeto reúne artistas de Natal e de New Orleans e terá na sua programação vultuosos expoentes do Jazz de New Orleans, além de artistas potiguares, que irão prestar homenagens a grandes nomes da MPB. Os tributos exibem os clássicos da nossa música em releituras surpreendentes e emocionantes que ressoam das vozes, dos ritmos e da musicalidade dos nossos talentosos artistas potiguares.

Caio Padilha levou o som da sua rabeca e do seu violão para um Tributo à Edu Lobo, trazendo no repertório os clássicos atemporais, Upa Neguinho e Ponteio. Caio destaca a felicidade de poder reunir a família para realizar esse show: “O que dizer de Edu Lobo, não é? Edu Lobo é simplesmente parceiro Vinícius de Moraes, Torquato Neto, Capinan, Chico Buarque…. Ou seja, é o herdeiro, é a segunda geração da Bossa Nova, que trouxe aquele tempero nordestino para a Bossa Nova. E esse show é mais especial ainda porque eu vou estar em família. Então vai ser um momento único, estou muito feliz de estar registrando esse momento. ”

Chico Bethoven & Choro do Elefante apresentam um Tributo à K-Ximbinho e outros grandes nomes do choro. No repertório estão músicas como Catita e Vou Vivendo “Para mim é um prazer muito grande participar do Festival. Estou muito feliz com o convite para trazer a música brasileira em sua verdadeira essência, que é o choro. É a minha música. É a bandeira que eu levanto e eu estou muito honrado de estar aqui”, destaca Bethoven.

Josy Ribeiro exibe no Festival o balanço do seu samba em uma apresentação vibrante em homenagem à Dona Ivone Lara e à Jorge Aragão e destaca a alegria de poder participar pela primeira vez do MPBJazz: “ Desde que eu recebi o convite eu fiquei ansiosa e feliz, fiquei radiante com esse convite. Valéria Oliveira me pediu para eu homenagear os ícones do samba e eu escolhi Jorge Aragão e Dona Ivone Lara porque eles são referências para qualquer pessoa que canta samba. ” Em seu repertório Josy cantou clássicos como Coisa de Pele, Mas Quem Disse Que Eu Te Esqueço e Sonho Meu.

Com o show “Seduzir”, Khrystal faz um Tributo ao cantor e compositor Djavan e destaca o quanto o mestre a inspira com a sua música e por ele ter a mesma raiz nordestina: “Eu já participei de uma edição anterior do MPBJazz cantando o repertório de Elis Regina e foi um dos shows mais emocionantes da minha vida. Para esse ano eu escolhi Djavan; um nordestino lindo, que, para mim, ressignifica essa coisa de Nordeste. Ele foi uma das primeiras pessoas da música que desmistificaram isso para mim. O que é Nordeste? Nordeste pode ser o que a gente quiser. De preferência, lindo, chique, elegante, com uma sonoridade criativa, que dialoga com a música do mundo. Djavan, para mim, é esse cara. Um cara dos blues, do jazz e também dos forrós. Então a gente vai fazer um passeio por esse lugar. Djavan é um sonho estético meu, para o que eu gostaria de fazer com a minha música, ele me inspira desde o início, então eu não poderia estar mais feliz. Ele é um nordestino que ressignifica esse Nordeste que eu busco ressignificar também. ”  Além da música Seduzir, que também é o título do seu show, Khrystal, traz para o seu repertório, Farinha, Meu Bem Querer, Quero-quero e Milagreiro.

Priscila Matos & Choro do Potengi vão apresentar um Tributo à Chiquinha Gonzaga e à Ernesto Nazareth: “Eu estou muito feliz em participar do Festival. É a minha primeira vez. Recebi o convite de Valéria Oliveira e fiquei muito emocionada. Resolvi fazer um tributo à Chiquinha Gonzaga e Ernesto Nazareth porque eu sou pianista e cantora e como pianista, a minha área de trabalho é o Choro, que é o nosso primeiro gênero popular urbano genuinamente brasileiro. Falar do Choro não tem como não falar de Chiquinha Gonzaga que se destaca na história da cultura brasileira, além de se sobressair também, nas lutas pelas liberdades no nosso país, pelo seu pioneirismo e pela coragem porque ela enfrentou toda aquela sociedade opressora e patriarcal, criando uma profissão inédita para a mulher. A obra da Chiquinha Gonzaga é fundamental para a formação da música brasileira e Ernesto Nazareth, contemporâneo de Chiquinha Gonzaga, também foi pianista e compositor brasileiro, considerado um dos maiores nomes do nosso do nosso Choro. Ele nos deixou mais de 200 composições”. No repertório de Priscila Matos & Choro do Potengi estão canções como Brejeiro, Apanhei de cavaquinho, Corta-jaca e também algumas composições não muito conhecidas da Chiquinha Gonzaga como Evoé.

A cantora e compositora Valéria Oliveira – que também é a curadora do MPBJazz – traz para a 7ª Edição do Festival os clássicos de Luiz Melodia em um repertório escolhido com muito carinho e desvelo. A cantora fala sobre a abertura que o Festival dá aos artistas potiguares em prestarem homenagens aos grandes artistas da MPB: Valéria acrescenta que: “Desde o sexto MPBJazz que vem acontecendo os tributos e está sendo muito bacana porque a gente canta nossa referências e inspirações. Para mim é instigante tocar na obra de um compositor brasileiro do porte de Luiz Melodia. ” Valéria já havia tido contato com a obra do artista anteriormente: “ A escolha por Luiz Melodia aconteceu pelo desejo de compartilhar e amadurecer um show que eu e Jubileu Filho apresentamos em Natal em 2019, ao lado de Renato Piau, grande parceiro de palcos e de vida de Melodia, e que conhece a obra dele como ninguém; A partir do convite de Piau eu pude adentrar no universo particular de Luiz.

A artista potiguar destaca a grande admiração que tem pelo cantor: “O que me emocionou ao chegar mais perto da obra de Luiz Melodia, além dessa voz ímpar que ele tem, uma voz extremamente marcante, afora as inúmeras canções que foram imortalizadas nas vozes de outros artistas, que gravaram as suas músicas, é essa capacidade que ele tem de viver a música. Para mim ele é um pássaro, ele voa nas melodias da música, que para mim é uma coisa absurda no bom sentido. Ele tem uma capacidade vocal incrível, um timbre único. E como compositor é de uma liberdade gigantesca! É algo muito especial. É algo mesmo de alguém que viveu a sua cidade, o seu tempo, o universo do samba, a tradição. A modernidade de alguém que conseguiu reunir em sua obra referências como as do blues, do jazz, do samba canção, do Choro ou seja, a conglobação entre a tradição e a contemporaneidade. ”

O MPBJazz é uma realização da Green Point Produções, em parceria com o 504 Experience de New Orleans, o Museu do Jazz de New Orleans e Valéria Oliveira Produções e conta com o Patrocínio da Prefeitura do Natal, Lei Djalma Maranhão, Unimed Natal, HC Cardio, Lei Aldir Blanc, Fundação José Augusto, Governo do Estado do Rio Grande do Norte, Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo e Governo Federal e com o apoio da TV da Rádio Universitária e CePCLIN em parceria com DNA Center na testagem dos artistas de Natal.

Nenhum comentário