Pacientes são transferidos de hospital da Grande Natal por falta de oxigênio

 


A madrugada e a manhã de sábado (20) foi de apreensão para familiares de pacientes internados no Hospital Municipal Dr. Percilio Alves, em Ceará-Mirim, na Grande Natal. Sem oxigênio suficiente para atender toda a demanda, a unidade precisou transferir pacientes para outras unidades de saúde do estado.

"Faltou oxigênio pela manhã e a madrugada toda. 30 pessoas aqui. Não tinha oxigênio. Passei a madrugada aqui na frente do hospital sem ter por quem chamar. Minha tia saiu entubada para Macaíba às 7h. Saiu daqui porque não tinha oxigênio", afirmou, chorando, o motorista Reneê Cláudio Dantas, de 43 anos. A tia dele, Maria Cícera, 59 anos, está com Covid-19.

Ilma Cruz afirma que a cena era desesperadora no início da manhã. Ela chegou à unidade por volta das 4h, com o irmão, que precisava de internamento. Ambulâncias estavam na unidade, fazendo o transporte de passageiros. "Foi um desespero. Falaram que estava faltando oxigênio. O que podiam fazer, estavam fazendo. A culpa não é dos enfermeiros", afirmou.

Em entrevista à Inter TV Cabugi, a diretora do hospital, Jumaria Mota, afirmou que nenhum paciente ficou sem oxigênio, mas confirmou que os que estavam em estado mais graves e que usam mais gás foram transferidos para que o insumo não acabasse, pela alta demanda.

A unidade funcionava com 3 cilindros de oxigênio para cada 5 horas, mas triplicou o consumo durante a pandemia. O hospital não é referência para Covid-19, mas recebe pacientes com a doença, no município.

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, o Hospital Municipal Dr. Percílio Alves foi abastecido pelo fornecedor municipal no fim da manhã de sexta-feira (19), porém a quantidade estimada para durar até às 13h deste sábado, devido ao consumo elevado, durou apenas até as primeiras horas da manhã.

"Diante do quadro, a Sesap articulou uma força-tarefa para remoção de sete pacientes, sendo seis em máscaras de alto fluxo de oxigênio e um recém-nascido. Quatro dos pacientes foram regulados para a rede estadual: hospitais Alfredo Mesquita, em Macaíba, Maria Alice Fernandes, em Natal, e Josefa Alves Godeiro, em João Câmara. Os outros dois pacientes foram encaminhados a unidade de pronto atendimento de Natal", informou a pasta.

A Sesap ainda disse que está dando suporte diário ao município de Ceará-Mirim e outras cidades da região para abastecimento de oxigênio. "Desde o dia 16, foram enviados 31 cilindros a Ceará-Mirim, dez a Guamaré e dois a Taipu, entre outras cidades em todo o estado".

Municípios enfrentam problema de abastecimento

Mais de 60 cidades do Rio Grande do Norte informaram que estão com dificuldades para comprar oxigênio no mercado. É o que aponta o Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do RN (Cosems), que publicou o levantamento nesta sexta-feira (19). De acordo com o conselho, 117 municípios responderam ao questionamento entre os dias 17 e 18 de março - isso representa cerca de 70% das 167 cidades do estado. Desses, 54,2% sofrem para adquirir o oxigênio - 63.

A preocupação com o oxigênio acontece por conta da pressão sobre os leitos críticos de Covid-19 e o aumento nos casos da doença. Segundo o Regula RN nesta sexta-feira, mais de 97% dos leitos críticos do estado estavam ocupados. A fila tem mais de 130 pacientes no aguardo para ocupar um desses leitos. As UPAs em Natal também tem atuado com superlotação.

Sesap alertou Ministério da Saúde

Na sexta-feira (19), a Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) disse que enviou um ofício ao Ministério da Saúde, ainda na quarta (17), solicitando apoio para encontrar alternativas para o abastecimento de oxigênio nas unidades de saúde dos municípios diante do crescimento dos casos de Covid-19 que necessitam de atendimento hospitalar.

Apesar disso, a Sesap informou que os 16 hospitais sob gerência da pasta que recebem pacientes da doença "seguem com abastecimento garantido regularmente pela empresa White Martins, seguindo o planejamento montado desde o início da pandemia em 2020 com investimento na melhoria na rede de gases".

Segundo a secretária adjunta de Saúde, Maura Sobreira, os hospitais estaduais que atendem pacientes com Covid-19 possuem tanques de gás. As principais dificuldades enfrentadas atualmente são pelas unidades municipais que usam cilindros.

INTER TV CABUGI E G1 RN

Nenhum comentário