É falso que enfermeiras de Paraty tenham apresentado reações graves após receberem Coronavac

 


É falso que duas enfermeiras tenham sofrido com reações adversas graves após receberem doses da Coronavac em Paraty, na Costa Verde do Rio de Janeiro. Fotos que viralizaram no Facebook, na realidade, mostram duas funcionárias do Hospital Municipal Albert Schweitzer, em Realengo, na capital fluminense. Elas foram vacinadas na quarta-feira, 20, e apresentaram sintomas leves, mas já passam bem. 

Uma das mulheres nas fotos compartilhadas no Facebook usava um crachá da Prefeitura do Rio, por isso entramos em contato com a Secretaria Municipal de Saúde carioca, que esclareceu que as duas profissionais apresentaram sintomas leves, como náuseas e vômitos. De acordo com a Secretaria, elas foram avaliadas por um médico, medicadas e, após apresentarem melhora, foram liberadas. “A Divisão de Vigilância em Saúde apura se os sintomas apresentados têm relação com a vacina e se podem ser considerados como evento adverso pós-vacinação”, informou o órgão.

É falso que duas enfermeiras tenham sofrido com reações adversas graves após receberem doses da Coronavac em Paraty, na Costa Verde do Rio de Janeiro. Fotos que viralizaram no Facebook, na realidade, mostram duas funcionárias do Hospital Municipal Albert Schweitzer, em Realengo, na capital fluminense. Elas foram vacinadas na quarta-feira, 20, e apresentaram sintomas leves, mas já passam bem. 

Uma das mulheres nas fotos compartilhadas no Facebook usava um crachá da Prefeitura do Rio, por isso entramos em contato com a Secretaria Municipal de Saúde carioca, que esclareceu que as duas profissionais apresentaram sintomas leves, como náuseas e vômitos. De acordo com a Secretaria, elas foram avaliadas por um médico, medicadas e, após apresentarem melhora, foram liberadas. “A Divisão de Vigilância em Saúde apura se os sintomas apresentados têm relação com a vacina e se podem ser considerados como evento adverso pós-vacinação”, informou o órgão.

A Prefeitura de Paraty também negou que as mulheres apresentadas nas fotos tenham sofrido reações graves. “O nome do município está sendo criminosamente utilizado em uma notícia falsa que relata supostas reações negativas à vacina contra a covid-19”, informou uma nota publicada pela gestão municipal.

A Secretaria Estadual de Saúde do Rio de Janeiro comunicou que ainda não recebeu nenhuma informação de efeito adverso da vacina contra o novo coronavírus. A pasta acrescentou que criou o Grupo Técnico de Investigação de Eventos Adversos Pós-vacinais para Covid-19 para auxiliar os municípios na notificação correta de possíveis reações.

Durante a fase de testes, a Coronavac provocou apenas reações leves nos voluntários que tomaram o imunizante. Os sintomas mais comuns foram dor de cabeça e dor no local na aplicação.

Aos Fatos e Agência Lupa também publicou uma checagem sobre esse assunto.

Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

O ESTADÃO

Nenhum comentário