Anvisa deve aprovar hoje vacinas CoronaVac e AstraZeneca

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) deve autorizar neste domingo (17.jan.2021), em reunião da Diretoria Colegiada, o uso emergencial, temporário e experimental das vacinas do Instituto Butantan e da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz).

A data representa o penúltimo dia do prazo estabelecido pela própria Agência como meta para análise dos pedidos.

A reunião começa às 10h e deve durar 5 horas. Será transmitida ao vivo, bem como a entrevista coletiva que terá início na sequência. Assista no canal do Poder360 no YouTube.

O Butantan pediu autorização para o uso emergencial da CoronaVac, desenvolvida em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac. Já a Fiocruz tenta a aprovação do imunizante desenvolvido pela Oxford e AstraZeneca. Ambas as solicitações foram apresentadas em 8 de janeiro.

A eficácia da CoronaVac veio aquém do esperado: 50,38%. Apenas profissionais da saúde foram voluntários nos testes, o que, de acordo com os responsáveis, explica o resultado.

Já a vacina da AstraZeneca apresentou um problema de metodologia no estudo de eficácia. Aplicou meia dose em parte dos voluntários e uma dose completa depois, quando o programa original era aplicar duas doses completas. Entenda os erros envolvendo a vacina nesta reportagem.


COMO SERÁ A REUNIÃO

Os 5 diretores da Anvisa irão votar pela aprovação ou não de cada uma das vacinas. A decisão é por maioria simples.

Cada vacina será avaliada separadamente. Os diretores podem aprovar ambas, só uma ou nenhuma.

Antes dos diretores votarem, especialistas farão apresentações sobre os 2 imunizantes. Eles irão apresentar dados sobre os estudos clínicos, a eficácia, as práticas de fabricação de cada laboratório e sobre o monitoramento de efeitos adversos às vacinas.

A diretora Meiruze Freitas é a relatora dos pedidos. Lerá seu voto depois das apresentações técnicas. Na sequência, os demais diretores declaram se concordam com a relatora ou não.

A decisão passa a valer a partir do momento em que houver a comunicação oficial ao laboratório.

Os diretores da Anvisa são: Antonio Barra (diretor-presidente), Meiruze Freitas, Cristiane Jourdan, Romison Mota (diretor substituto) e Alex Campos.


VACINAÇÃO NO BRASIL

O Ministério da Saúde já afirmou que apenas os imunizantes aprovados pela Anvisa –em caráter emergencial ou definitivo— serão aplicados na população.

A pasta não dispõe de nenhuma dose da vacina da AstraZeneca. A Fiocruz irá produzir o imunizante, mas ainda aguarda a importação de insumos para iniciar a fabricação.

O governo importou 2 milhões de doses da Índia, mas a entrega (prevista para 16 de janeiro) atrasará em 2 semanas. Foi o início da vacinação na Índia interferiu na remessa das doses ao Brasil, de acordo com as autoridades indianas.

O Butantan deve entregar 6 milhões de doses da CoronaVac ao Ministério da Saúde. Antes, quer saber quantas doses ficarão do Estado de São Paulo.

De acordo com o ministro Eduardo Pazuello (Saúde), a vacinação no Brasil começaria em 20 de janeiro. Oficialmente, a pasta trabalha com 3 hipóteses –na pior delas, a imunização pode começar em qualquer momento depois de 10 de fevereiro.

As ações da gestão Bolsonaro em relação à pandemia são alvo de críticas, que se agravaram com a crise enfrentada no Amazonas. Internautas voltaram a pedir o impeachment do presidente.

Panelaços foram registrados em todas as regiões do Brasil na última 6ª feira (15.jan). No dia seguinte, os dizeres  “vacina já” foram projetados na sede da Anvisa em Brasília, bem como a palavra “genocida” e uma imagem do presidente Bolsonaro.

PODER 360


Nenhum comentário