Editora potiguar publica livro com relatos de 15 autores sobre 2020

 


Se alguém lhe pedisse para contar sobre como foi o ano de 2020 para você, o quê diria? Parece uma tarefa difícil tentar organizar os acontecimentos caóticos do último ano desta década, mesmo levando em conta que, na maior parte dele, estávamos trancados em casa. Mas foi isso o que os 15 autores da antologia 2020 fizeram. 

Eles escreveram suas experiências pessoais durante este ano pandêmico e reuniram os relatos em um livro-documento publicado pela editora potiguar Fortunella. O livro está em pré-venda pelo Catarse (QRCode) até está quarta-feira 30. 

O editor e idealizador da obra, Sandro Fortunato, conta que pensou no projeto ainda no início do ano, mas como ainda não tinha ideia do que aconteceria, resolveu esperar um pouco para colocá-lo em prática. “Busquei um equilíbrio entre o jornalismo e a História. 

Em outubro, retomei a ideia com um formato definido: um livro de memórias, escrito no calor dos acontecimentos, com um recorte preciso – do início da pandemia ao último dia de 2020 –, sem a pretensão de fazer previsões ou ditar regras”, explicou. Sandro é um dos autores e convidou mais 14 pessoas para participar do projeto. 

Ele conta que selecionou autores que já foram publicados pela Fortunella e amigos que tivessem uma boa história para contar. “Nesse time há jornalistas, dramaturgos, atores, professores, engenheiros, humorista, artista visual e psicólogo, que moram em cinco estados brasileiros (Rio Grande do Norte, Paraíba, Goiás, São Paulo e Rio de Janeiro) e em Portugal. Além de suas próprias experiências, os autores abordam temas como educação, cultura, humor, racismo, solidariedade, autoestima, saúde mental e negacionismo”, disse Sandro. 

O professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Antonino Condorelli, foi um dos convidados para contar sua experiência no livro. Ele conta que apesar de já ter pensado na ideia de escrever sobre a pandemia, não imaginava escrever com base em sua vivência pessoal. “Quando chegou o convite eu aceitei na hora, apesar de que naquele momento fiquei um pouco receoso porque não sabia se eu conseguiria verter em palavras as experiências, vivências, transformações pessoais que vivenciei ao longo do ano. 

Mas eu encarei isso como um desafio instigante de organização e sistematização do meu pensamento, emoções e sensações”, relatou o professor. Para Antonino, atualmente há mais de 9 meses em isolamento social, apenas uma pequena parte da população vivenciou de fato as dificuldades do contexto pandêmico, pois nem todos os que tinham condições de cumprir a quarentena, de fato, o fizeram. 

“Isso implica transformações profundas não só na rotina, por causa do home office, do semestre remoto, da perda de separação de tempo de trabalho e tempo para a existência pessoal, mas também muitas reflexões sobre a vida, sobre a felicidade, sobre o estar junto, sobre a importância das relações humanas, da amizade, do afeto, a falta da presença física, a falta do corpo no mundo, da interação com outros corpos. 

Fora isso, a reflexão sobre o que acontece na sociedade, sobre como as autoridades lidaram com a pandemia, sobre o racismo, sobre as questões de gênero. Era um turbilhão de sentimentos, de ideias que eu achei que fosse difícil organizar num texto que fizesse algum sentido. Mas para minha surpresa foi muito menos difícil do que eu imaginava, fluiu muito bem a escrita”, revelou. Para Sandro Fortunato, esse turbilhão de ideias que acometeu aqueles que passaram meses respeitando, verdadeiramente, o isolamento social, é o cerne da obra de 2020. 

“Trabalhamos aqui com um recorte bem definido e com a “memória fresca”, antes que comecemos a nos afastar, analisar de maneira fria e até a nos confundirmos sobre “aquele distante 2020”. Ler este livro no futuro é ter a certeza de que “aquelas pessoas viveram mesmo isso”. 

Os autores falam sobre seus sentimentos, sobre o que estão vivendo. Quando começarem a dizer que a pandemia não existiu ou que foi “só uma gripezinha”, o livro funcionará como um documento mostrando, sob vários aspectos, o que realmente aconteceu”, sublinhou o editor. Após o encerramento da pré-venda pelo Catarse, 2020 estará disponível na loja virtual da Fortunella. Os livros adquiridos durante a pré-venda começarão a ser enviados no início de fevereiro e a distribuição para livrarias dependerá da situação da pandemia. 

O ideal é fazer o pedido pelo site da editora e receber com segurança sem sair de casa. Para saber um pouco mais sobre outros 13 autores da antologia, acesse o link da pré-venda ou o perfil no Instagram da editora (@editorafortunella).

AGORA RN

Nenhum comentário