Reconstrução da RN-118 movimenta economia do Seridó



É num trecho de quase 50 quilômetros onde está a maior circulação de ICMS do Rio Grande do Norte. Mais precisamente na RN-118, entre Jucurutu e Caicó, por onde trafegam diariamente produtos da fruticultura, indústria salineira, minério e confecções. Em abril deste ano, chegou ao fim a espera de caminhoneiros, produtores e moradores da região: o Governo do Estado reconstruiu a estrada e a entregou à população.


O investimento de mais de R$ 30 milhões se deu através do empréstimo junto ao Banco Mundial, com a realização da obra a cargo do projeto Governo Cidadão e Departamento de Estradas de Rodagem (DER). Foram reconstruídos 47,5 quilômetros de estrada, com novo asfalto, defensas metálicas e sinalização em toda a via.


Para a governadora Fátima Bezerra, é um ganho enorme de segurança e trafegabilidade para a população do Seridó e quem transporta mercadorias. “Há muito tempo os seridoenses pleiteavam a reconstrução dessa estrada, que pelos anos sem manutenção, tornava o tráfego muito difícil e trazia insegurança aos motoristas. Com empenho e união de esforços, resolvemos os entraves e entregamos a obra”, destaca.

 

“Encontramos essa e muitas outras obras com problemas quando assumimos a coordenação do Governo Cidadão. Reunimos as equipes, somamos esforços e, através dessa integração, pudemos concluir essa importante estrada e entregá-la ao povo potiguar. É uma via fundamental para o escoamento de itens importantes da nossa pauta econômica”, pontua o secretário de Gestão de Projetos e Metas, Fernando Mineiro.


A RN-118 começa em Macau e vai até Ipueira. Em sua extensão, liga o Seridó, o Vale do Açu e o Oeste à BR-226, em Jucurutu, por onde passam carregamentos de petróleo, cerâmica, ferro, fruticultura, sal e confecções. A estrada faz parte das nove que estão sendo reconstruídas pelo Governo, garantindo a melhoria da infraestrutura e da mobilidade entre as regiões do Estado. São R$ 168 milhões em investimentos através do acordo de empréstimo com o Banco Mundial.

Nenhum comentário