Em qual pesquisa acreditar em Extremoz?


Nos meus 25 anos de jornalismo, nunca tinha testemunhado algo tão inusitado como o que estou vendo em Extremoz. “Seria cômico se não fosse trágico”, mas é cômico e trágico ao mesmo tempo. Infelizmente! Para tristeza dos eleitores que não sabem mais em qual pesquisar acreditar. 

Em Extremoz, as pesquisas para prefeito é o verdadeiro “samba do crioulo doido”. A cada pesquisa divulgada, os números divergem e entram em “rota de colisão” deixando o leitor perplexo e sem saber em qual instituto acreditar. É triste, mas é verdade! Tem pesquisa para todos os gostos agradando a “gregos e troianos”. Toda semana institutos divulgam resultados contraditórios que coloca em “xeque” a metodologia das pesquisas que apontam resultados discrepantes pelos números que não batem. Os dados apresentados divergem caindo no descrédito da população que não confia mais nas pesquisas de opinião pública para prefeito de Extremoz. 

Essas pesquisas divulgadas além de causar descrença da opinião pública, servem de mídia para apoiadores fazerem publicidade em redes sociais com o único objetivo, confundir para subtrair. A cada pesquisa divulgada, é uma "auê" dos simpatizantes que fazem palanque virtual com os números apresentados. É uma verdadeira festa online de prints, emojis, comentários e áudios para todos os gostos.  

Não sou “vidente” e nem quero ser, mas os dados estão rolando e o xeque-mate será no próximo dia 15 de novembro, dia em que a pesquisa oficial será divulgada às 20h pelo TRE e essa, não terá erro. Até lá, teremos que conviver com as pesquisas e como seria legal, se o TRE obrigasse o instituto divulgar o nome de quem encomendou para maior transparência, pois sabemos que o preço em média de uma pesquisa custa entre 5 a 10 mil reais. 

Vamos aguardar as cenas do próximo capítulo, ou melhor, as próximas pesquisas para alegria dos apoiadores e para a tristeza do eleitor.


Nilson de Castro

Jornalista

Nenhum comentário