Primavera: estação das flores, dos ventos e das alergias – Artigo *Dr. Roberto Pacheco

Estamos em plena primavera! Estação boa para flores e ventos, mas também para o desenvolvimento de processos alérgicos. A alergia inalatória a fungos não é limitada aos ambientes doméstico ou profissional. Ela também se propaga pelo ambiente exterior onde esporos de fungos são encontrados em altas concentrações. De fato, nesta época do ano, quase toda poeira inclusive com ácaros está impregnada por mofo. Para o combate disso, é necessário que haja ambientes arejados com claridade e ventilação.

Mesmo nos países em que as polinoses são importantes, a proporção de fungos de mofo é bem maior do que a de pólens. Na região nordeste do Brasil, como não há estação polínica, o predomínio de mofo, principalmente com os ventos fortes da primavera, causa alergias respiratórias, rinites alérgicas, sinusites, tosses e asma brônquica.

O tratamento das alergias sempre deve ser iniciado na fase em que a inflamação não predomina, pois, se esse tratamento não for feito na fase inicial, a qualidade de vida do paciente pode ir piorando lentamente, por isso que indicamos o tratamento nos primeiros anos de vida. E por que não dizer: logo na preparação para a chegada do bebê, ou seja, antes do nascimento? Para tanto, preparar o ambiente do recém nascido com espaço arejado, incentivar o aleitamento materno e evitar os poluentes e o ambiente fechado, que é o grande problema para a evolução de processo de alergia, são ações importantíssimas.

Em sendo assim, especialmente na primavera, com o predomínio de ácaros e de fungos no ar, e devido aos ventos intensos da região nordestina, o comprometimento das vias respiratórias tende a ser maior. Além disso, nesta época, também há um início do aumento da radiação ultravioleta e não podemos nos esquecer de que estamos em plena pandemia por Coronavírus. Então, cuidado! Nada de automedicação! Muita gente tem usado produtos químicos, como o álcool gel, e feito dedetização e sanitização em ambientes: tudo isso é química. Com a exposição ao sol, que é um cofator, podem surgir as alergias de pele, que ficam em segundo lugar em relação às alergias respiratórias.

Portanto, os cuidados são a primeira parte do tratamento. Devemos abrir janelas, aspirar os ambientes, limpar aparelhos de ar condicionado, evitar espaços destinados a fumantes, não utilizar (sem a devida proteção) produtos químicos de cheiro ativo, tais como aromatizantes, detergentes, inseticidas. Trocar, com frequência, as roupas de cama também é importante. Para se ter uma ideia, no colchão, existem mais de dois milhões de ácaros. Por fim, ressaltamos a importância de praticar atividades físicas. Além de melhorar a capacidade respiratória, as atividades físicas diminuem o estresse, que é um agravante da alergia.

 Observados esses cuidados, desejamos a todos os leitores e, em especial, aos leitores acometidos por qualquer tipo de alergia, uma primavera com muitas flores e saúde!

 

*É médico especialista em alergia e imunologia e diretor da Regional/RN ASBAI

 


Nenhum comentário