Morte de recém-nascidos por sífilis reduz 90% em Natal



No município de Natal, até junho de 2020, foram registrados 720 casos de sífilis dentro do grupo das Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs), sendo 349 de sífilis adquirida, 228 sífilis em gestante e 143 sífilis congênita (quando transmitido da mãe para o feto). Comparado ao ano anterior, somente entre os casos de recém-nascidos, o número chegava a 355. Com isso, a boa notícia é que nesse contexto, com os dados analisados até agora pela Secretaria Municipal de Saúde de Natal (SMS/Natal), através do Departamento de Vigilância em Saúde, as mortes em recém-nascidos por sífilis foram reduzidas em 90%.

Observa-se uma taxa de mortalidade de 0,1 caso por 1.000 nascidos vivos para esse ano em relação a 2019. No que diz respeito à HIV/Aids, foram notificados até o momento 244 casos. Desses, 216 registros de HIV/AIDS em adultos, 27 em gestantes e 1 caso notificado em criança. O boletim bimestral de ISTs está disponível para consulta em https://natal.rn.gov.br/sms/ na aba "Boletins Epidemiológicos IST's".

SÍFILIS
Até junho de 2020, a taxa de incidência da sífilis congênita foi de 16 casos por 1.000 nascidos vivos; 25,5 casos de sífilis em gestante por 1.000 nascidos vivos e 39,2 casos por 100.000 habitantes de sífilis adquirida. Nos últimos três anos, houve uma evolução em relação à taxa de incidência de sífilis gestante e sífilis congênita no que tange o acumulado do ano de 2020.

Tratando-se de sífilis adquirida, a faixa etária predominante é a de 20 a 39 anos do masculino. Quando analisado por região de saúde, o Distrito Oeste apresenta o maior percentual (32%), seguido do Norte I com 21,6% dos registros.

AIDS
O boletim evidencia que embora a região Sul detenha o maior número de registros nos últimos 3 anos, o Distrito Sanitário Oeste apresentou um crescimento considerável em relação aos casos notificados. Na proporção de casos por faixa etária, o grupo de 20 a 39 anos (51,39%) do sexo masculino e (11,57%) do sexo feminino se destacam. O principal modo de transmissão ainda é o sexual (76,39%) e a taxa de mortalidade de HIV/AIDS do acumulado de 2020 até o mês de junho caiu 40%.

Uma série de medidas são adotadas para auxiliar no diagnóstico precoce e tratamento da doença no município. Entre elas, a testagem rápida e acesso ao tratamento em unidades básicas de saúde referenciadas, de acordo com a zona de calor das notificações e o acompanhamento realizado pelas gestantes com o pré-natal, disponibilizado em toda a rede de atenção básica.

Nenhum comentário