Levantamento coloca Álvaro Dias como um dos três prefeitos que mais aumentaram a popularidade com a pandemia


Um levantamento publicado hoje no jornal Folha de S Paulo feito pela consultoria Quaest mostra que o prefeito Álvaro Dias aumentou em 58% o Índice de Popularidade Digital (IPD), quando comparados os meses de fevereiro a julho. O levantamento relacionou a variação do IPD com a intensidade das regras de isolamento social.
O IPD leva em consideração cerca de 150 variáveis, como seguidores, comentários, curtidas, compartilhamento e se as reações aos posts são positivas e negativas no Facebook, Twitter, Instagram, Google e Wikipedia. Um modelo estatístico próprio pondera e calcula a importância de cada dimensão, e os personagens analisados são posicionados em uma escala de 0 a 100.
Os prefeitos de Vitória (ES), Luciano Resende, e de São Luís (MA), Edvaldo Holanda Junior, aumentaram a popularidade em 74% e 60%, respectivamente, nas redes sociais, sendo os dois únicos que ficaram à frente do prefeito de Natal.
A reportagem interpreta esse dado fazendo o cruzamento com as medidas adotadas pelas prefeituras para o isolamento social e constata que os prefeitos das capitais com quarentena menos rígidas ganharam popularidade.
O dado sobre isolamento social é do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), um índice de 1 a 10 (quanto maior, mais rígido), de junho, quando muitas regiões começavam ou já haviam reaberto as economias.


A Quaest constatou que, no início da pandemia, prefeitos de cidades com medidas de isolamento mais restritivas melhoraram a popularidade nas redes. Agora, porém, a situação se inverteu. “Nesse momento, quem continuou forçando isolamento e fechamento do comércio perdeu mais popularidade em relação a fevereiro do que quem relaxou mais depressa”, diz o CEO da Quaest, o cientista político Felipe Nunes. “Deve explicar por que os prefeitos estão se sentindo tão pressionados a reabrir, porque há um movimento de reabertura no país inteiro”. Para ele, os prefeitos são os tomadores de decisão mais próximos da população e os mais pressionados, devido ao calendário eleitoral.

Nenhum comentário