Vaticano anuncia que celebrações da Semana Santa serão realizadas sem fiéis na Praça São Pedro

Foto: Vaticano / via AFP Photo
As celebrações litúrgicas da Semana Santa serão realizadas sem os fiéis na Praça São Pedro, anunciou o Vaticano neste domingo (15). A decisão tem o objetivo de evitar a propagação do novo coronavírus.
“Devido à atual emergência sanitária, todas as celebrações litúrgicas da Semana Santa serão realizadas sem a presença física dos fiéis”, afirmou o Vaticano em comunicado. “Da mesma forma, comunicamos que domingo, 12 de abril de 2020, a recitação do ‘Angelus’ pelo papa Francisco será transmitida apenas via ‘streaming’”, acrescentou o Vaticano.
As missas afetadas são as do Domingo de Ramos (5 de abril), quinta-feira santa (dia 9 de abril), Sexta-feira Santa e o Caminho da Cruz no Coliseu Romano (10 de abril), Sábado Sagrado da Vigília Pascal (11 de abril) e Domingo de Páscoa (12 de abril) com a tradicional benção “Urbi et Orbi”.
Até 12 de abril as orações de Angelus só podem ser vistas ao vivo no site do Vaticano.
Desde a semana passada, o papa Francisco realizou audiências gerais e o Angelus sem os fiéis para evitar a propagação. O pontífice também tem mantido a distância prudente recomendada de seus interlocutores.
A basílica e a Praça de São Pedro permanecem fechadas, seguindo as recomendações das autoridades italianas.
No Estado da Cidade do Vaticano uma pessoa tem o coronavírus. Ela está isolada no Hospital Gemelli, em Roma.
Segundo Vaticano, o papa Francisco ora todas as manhãs pelas famílias e médicos que enfrentam a pandemia.
Segundo o último balanço de sábado (14), 1.441 pessoas morreram do coronavírus na Itália, o país mais afetado da Europa. Mais de 21.000 italianos deram positivo, 3.500 nas últimas 24 horas.
No sábado (14), o governo proibiu a circulação de trens noturnos, depois que muitos italianos usaram o transporte à noite na região norte do país, a mais afetada pelo vírus.
A falta de leitos de terapia intensiva na Lombardia ainda é o maior problema para salvar mais vidas. Em todo o país, mais de 1.500 pessoas estão na UTI por causa da Covid-19.
A Força Aérea italiana está ajudando a transferir pacientes para regiões com mais vagas. Mas o chefe da Defesa Civil avisa que faltam máscaras para os profissionais de saúde.
Na segunda-feira (16) começa a funcionar uma nova ala de terapia intensiva num hospital da capital italiana, construída em ritmo acelerado.
G1

Nenhum comentário