RN tem surto de doença transmitida por gatos; uma morte é confirmada


Especialistas estão preocupados com o crescente número de pacientes e animais infectados com a esporotricose, uma doença emergente provocada por fungos do gênero Sporothrix. Ao menos 131 pessoas foram diagnosticadas no Rio Grande do Norte, e um óbito foi confirmado.
Segundo especialistas, até recentemente não havia registro dessa micose no Estado do Rio Grande do Norte. Hoje, no entanto, ela se espalha muito rapidamente por Natal e região metropolitana, principalmente Parnamirim, Extremoz e São Gonçalo do Amarante, mas também já foi identificada em Santo Antônio do Salto da Onça.
A esporotricose começou a aparecer no RN por volta de 2015, quando o médico veterinário José Flávio Vidal Coutinho, do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de Natal, levantou a possibilidade de alguns animais, principalmente gatos, apresentarem ferimentos e sintomas suspeitos.
A confirmação veio pelo Instituto de Medicina Tropical (IMT/UFRN), a partir de estudos de pesquisa científica do biomédico Thales Domingos Arantes, da Universidade Federal de Goiás, em colaboração com a bióloga, geneticista e supervisora do Laboratório de Micologia do IMT/RN, Raquel Cordeiro Theodoro.

O primeiro diagnóstico em humanos foi feito pela infectologista Eveline Pipolo Milan, do Departamento de Infectologia da UFRN, em outubro de 2016. Apesar de não haver registros dessa doença no RN até então, pesquisadores já sabiam que a região Nordeste apresentava aumento no número de casos desde 2013, sendo os estados mais afetados a Bahia, Pernambuco e Paraíba. Embora tenha demorado, a doença chegou aqui com muita força. Até agora, a espécie de fungo mais comum encontrado é a Sporothrix brasiliensis, de perfil zoonótico e associado a surtos de esporotricose.
Segundo Thales Arantes, por ter maior patogenicidade, essa espécie de fungo causa lesões mais graves e se prolifera em menor tempo quando comparada a outras, principalmente nos animais.
“É importante o controle da esporotricose, porque com um gato doente no ambiente doméstico, muito provavelmente, você e/ou algum membro da família irão contrair esporotricose também. As chances são de pelo menos 70%. Por isso, quanto mais rápido o diagnóstico e início do tratamento, menor será a dispersão do fungo no ambiente”, afirma o pesquisador.

O problema maior pode estar nos animais abandonados. Estima-se que pelo menos 150 mil felinos vaguem sem dono pelas ruas do estado, e isso é um sinal de que é muito difícil evitar a proliferação dessa micose. Até agora, 117 gatos foram diagnosticados pelo IMT com a doença, de 195 amostras enviadas, mas certamente o número é muitas vezes maior. “O controle da doença está intimamente ligado ao controle dos gatos”, reforçou Eveline Pipolo. 
A médica aponta três preocupações em relação ao surto dessa doença. A primeira delas é o desconhecimento. Apesar de não ser nova no Brasil, é muito recente no RN e muitos médicos daqui a desconhecem. A demora no diagnóstico pode, inclusive, ter sido a responsável pela única morte registrada até agora. O período de incubação da esporotricose é variável, de uma semana a um mês, podendo chegar a seis meses após a inoculação, ou seja, entrada do fungo no organismo.
A segunda relaciona-se ao diagnóstico laboratorial dos casos humanos, que, até o momento, tem sido realizado no laboratório do Professor Guilherme Maranhão Chaves, da Faculdade de Farmácia da UFRN, no âmbito de um projeto de pesquisa. Mas o Estado não fornece os insumos necessários para a realização do diagnóstico confirmatório.
Outra preocupação de Eveline é em relação à garantia do tratamento. “A esporotricose é tratada com Itraconazol, medicamento relativamente caro para pessoas em vulnerabilidade social. Seu custo médio é de R$ 80 mensais, com um tempo de tratamento que varia de três a seis meses, podendo se estender por um ano”, explica. Os pacientes, em geral, têm baixa renda e a maioria são mulheres entre 20 e 60 anos, desempregadas e com gatos em casa.
Atualmente, o Departamento de Infectologia da UFRN, que funciona dentro do Hospital Giselda Trigueiro, está conseguindo que o Ministério da Saúde forneça essa medicação, mas Eveline Pipolo não sabe se, com o crescimento do número de casos, será possível manter esse insumo por muito tempo.
Transmissão e cuidados
De acordo com Eveline Pipolo, a maioria dos pacientes que chega a seu consultório apresenta ferimentos visíveis, costumeiramente devido a mordida ou arranhão de gatos. Apesar de não ser a única, essa é a forma clássica de contrair a doença que também se manifesta em cães, mas em número muito inferior em relação aos felinos.
A infecção pode ocorrer também pelo contato do fungo na pele ou mucosa por meio de trauma decorrente de acidentes com espinhos, palha ou lascas de madeira e contato com vegetais em decomposição. Nem sempre é preciso estar com uma lesão visível para ser infectado, basta uma microlesão ou uma simples coçada de olho para o microrganismo se instalar. Porém, é preciso esclarecer que só é possível contrair a doença se o solo ou o animal estiverem contaminados.

Thales Arantes alerta que a esporotricose é parecida com outras doenças, como carcinomas e leishmaniose, por isso precisa de um diagnóstico diferencial. Ele recomenda aos tutores que, ao perceberem lesões na pele dos animais, os levem imediatamente ao médico veterinário, ou em casos extremos ao CCZ do município, para que seja feito o diagnóstico.
Os animais com suspeita da doença não devem ser abandonados. Caso o tutor não tenha condições de tratar o animal, ele deve procurar os CCZs para que lá seja feito o encaminhamento correto. No caso de morte dos animais, não se deve enterrar ou jogar no lixo, pois como algumas espécies de Sporothrix são mais geofílicas, ou seja, têm afinidade pelo solo, elas manterão ativo o ciclo da doença. O correto é a incineração do corpo do animal, de maneira a minimizar a contaminação do meio ambiente.
Animais em tratamento devem ficar isolados, geralmente em caixas ou espaços de contenção para evitar espalhar o fungo. A medicação, além de não ser muito barata, precisa ser administrada via oral, o que, geralmente, acarreta traumas como arranhaduras ou mordidas.
O ambiente onde está ou esteve o animal contaminado também precisa ser desinfetado. Recomenda-se o uso de solução de hipoclorito de sódio a 1%, água sanitária ou álcool 70%. Destaca-se a importância da limpeza de todos os espaços e descartar acolchoados, panos ou similares utilizados pelo animal para dormir, brincar ou descansar. 
Com informações da Agecom/UFRN


Nenhum comentário