Mercado da Redinha e Ginga com Tapioca viram patrimônio da cidade



Prato tradicional da praia da Redinha, na Zona Norte da cidade, a ginga com tapioca entrou para o cardápio popular dos natalense e turistas que visitam a capital potiguar. Produzida há mais de cinquenta anos, a ginga com tapioca é feita aproveitando os peixes pequenos que vêm na rede de arrasto dos pescadores, geralmente descartados. Para garantir a preservação do prato e suas tradições históricas foi aprovada pela Câmara Municipal e sancionada pelo poder executivo, o Projeto de Lei Ordinária 6.617/17, de autoria do vereador Raniere Barbosa (AVANTE). A lei também garante a preservação do mercado público da Redinha, que foi construído em 1921 e virou Patrimônio Cultural do município, consolidando o turismo local. 
“Primeiramente por Natal ser uma cidade turística com perfil e vocação para o turismo. Diante disto, a Redinha inclusive é a Praia que deu a origem ao nascimento da nossa cidade Natal, desde a sua fundação do Forte dos Reis Magos, bem como do centro comercial Ribeira Rocas. Diante desse contexto, vi que Natal deveria ter na sua gastronomia uma bandeira como outras capitais, pois Natal tem a Ginga com Tapioca. Então tornei o mercado da Redinha como patrimônio cultural e a Ginga com Tapioca como patrimônio imaterial”, acrescentou o vereador Raniere Barbosa. 
Ivanize Barbosa, que é filha dos criadores do prato ginga com tapioca e também comerciante do Mercado público da Redinha, comemora a aprovação e sanção da lei. “Muito importante pra gente, nós que vivemos aqui no Mercado da Redinha e pra mim mais importante ainda, pois foram meus pais que começaram esse prato tão tradicional. É uma grande uma alegria, até porque acaba valorizando o turismo aqui na praia, pois todos que chegam na cidade já procuram saber aonde é a Redinha, que prato é esse e quando chegam aqui se deparam com essa delícia de prato com o nosso visual belíssimo aqui da Redinha”, ressaltou Dona Ivanize. 


Informações do Agora RB

Nenhum comentário