VÍDEO: Styvenson rebate seguidores que se dizem desapontados nas redes sociais: “Infelizmente, essas pessoas que eu decepcionei não cumprem a lei!”



Senador gravou desabafo em um longo vídeo que foi postado e logo depois retirado do Instagram. Foto: Reprodução/Instagram

Por Wagner Guerra
O senador Styvenson Valentim (Podemos) está irritado, e muito, com a mancha de ‘traidor’, por parte de seus eleitores e seguidores nas redes sociais. Diante da repercussão negativa, logo após ele ter votado contra o decreto presidencial que facilita o acesso às armas de fogo no Brasil, o capitão decidiu externar sua indignação em um vídeo que foi postado e minutos depois retirado do Instagram.
Styvenson inicia a gravação justificando não ter votado a favor do decreto, devido às falhas legais e constitucionais. Depois, ele manda recado a quem se diz decepcionado, acusando-o de ‘trairagem’ nas redes sociais: “Quem não respeita a lei, quem abusa da autoridade e anda na ilegalidade, por favor, não me siga! É um favor que você faz a mim. Eu nunca pedi voto, muito menos a gente que desrespeita a constituição”, esbravejou.
O capitão continua seu ‘recado’ aos seguidores e eleitores que estão desapontados com sua decisão: “Com certeza eu não o represento, tá bom? Posso até ter traído você, que está reclamando aí com esse mimimi, mas não traio o que eu prometi aqui de defender a constituição. Tô aqui falando e explicando um Projeto de Lei que combate à corrupção e você aí vem conversar besteira…Tô de saco cheio já. Faça assim… fique aí só pensando em arma, arma e arma. Infelizmente, essas pessoas que eu decepcionei não cumprem a lei”.
Com relação ao decreto das armas, Styvenson afirmou que se não puder modificá-lo com emendas, não o aprova. “Essas emendas são para você, que quer muitas armas. A partir delas (emendas) haverá um controle médico e toxicológico, com penas rigorosas para você não fazer mau uso das armas, ameaçando e coagindo as pessoas, ou se exibindo com arma na cintura. Não contra o cidadão possuir arma, mas vai ter um rigorzinho aí”.
Segundo o capitão, não é verdade o que muito falam sobre ele ter feito discurso a favor das armas: “Não fiz campanha, não fui às rádios, não pedi nem voto. Não me apoiei em Bolsonaro e nem em Fátima Bezerra. Mas ainda tem gente que fala que não vota mais em mim. Sabe lá se eu serei candidato de novo, tá bom?”.
Em certo momento, o senador se refere a um suposto cidadão chamado Marlon, que teria dito nas redes sociais ter sido procurado por Styvenson para conseguir voto. “Não lembro disso, mas você foi na casa da minha mãe pegar adesivo. A culpa foi de vocês mesmos ter elegido muita gente, ainda mais quem não sabe fazer um decreto, uma coisa simples”, relatou.  Blog do FM

https://youtu.be/waplKtmwsUY


LEIA TAMBÉM

Nenhum comentário