Ex-governador Robinson contesta “ataques” e “mentiras” de Fátima



O ex-governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria (PSD) criticou a atual chefe do Estado, Fátima Bezerra (PT) por propagar o que ele chamou de “ataques” e “mentiras” contra seu governo (2015-2018).
“Eu apoiei Fátima no segundo turno por entender que ela era a melhor das duas opções que restaram. Não condicionei isso a nada. Sinceramente, nem esperei gesto de reconhecimento dela. Agora tenho que tolerar, em silêncio, suas críticas e ataques desde que ela assumiu. Mas não posso aceitar mentiras”, criticou.
Em desabafo nas redes sociais, Robinson contestou uma propaganda de Fátima em que a governadora diz ter salvo o projeto do Banco Mundial, que estava para se encerrar.
“Não é verdade. Eu deixei a prorrogação desse projeto até 2021 já aprovada pelo Banco e pelo avalista do empréstimo, que é o Governo Federal, a quem coube a palavra final. E ficou quase metade do dinheiro disponível pra ela aplicar, pra ela dar continuidade às obras em andamento ou previstas para esta etapa final”, escreveu o ex-governador.
Segundo explicou Robinson, Fátima teria ido ao banco depois de eleita porque ele pediu que isso fosse recomendado a ela. “Meus auxiliares a avisaram que o Banco esperava a afirmação de compromisso do novo governante eleito para que não houvesse riscos de ‘solução de continuidade’ do projeto”.
Robinson diz ainda que o mesmo raciocínio foi aplicado nas tratativas com o grupo chinês Chint, responsável por trazer uma fábrica de placas fotovoltaicas para o Rio Grande do Norte.
“Fiz a mesma coisa com os chineses da Chint dentro do processo de transição. Tudo pra dar plenas condições de continuidade aos projetos relevantes que precisavam seguir independentemente de quem fosse o governo. Fiz isso pensando grande, pensando no RN”, disse.
O ex-gestor prosseguiu seu desabafo elencando as obras que conseguiu concluir em seu governo, como estradas, escolas, hospitais e restaurantes populares. Ele admitiu que enfrentou problemas por não contar com as condições políticas que Fátima tem, mas cobrou reconhecimento da petista por seus êxitos.
“Qual a dificuldade em ela reconhecer isso? Fale dos problemas, mas se é pra ser justa reconheça também o que eu deixei de realizações e recursos assegurados”, concluiu Robinson, afirmando, também, que torce para que Fátima consiga reequilibrar as contas do Estado e ter mais diálogo com o Governo Federal.

UM DEMOCRATA TOLERA CRÍTICAS MAS NÃO PODE ACEITAR MENTIRAS
Eu apoiei Fátima no segundo turno por entender que ela era a melhor das duas opções que restaram. Não condicionei isso a nada. Sinceramente, nem esperei gesto de reconhecimento dela. Agora tenho que tolerar, em silêncio, suas críticas e ataques desde que ela assumiu. Mas não posso aceitar mentiras!
Ela dizer em sua propaganda que o projeto do Banco Mundial estava se encerrando e que foi ela quem o salvou, não é verdade. Eu deixei a prorrogação desse projeto até 2021 já aprovada pelo Banco e pelo avalista do empréstimo, que é o Governo Federal, a quem coube a palavra final. E ficou quase metade do dinheiro disponível pra ela aplicar, pra ela dar continuidade às obras em andamento ou previstas para esta etapa final. Aliás, isso foi comprovado pelo próprio diretor do Banco, Martín Raisen, quando veio ao RN no final do meu mandato, em entrevista à InterTV Cabugi. Vale a pena ver o que ele disse sobre isso (vídeo aqui: globoplay.globo.com/v/7199494).
Fátima foi ao banco depois de eleita, sim, justamente porque eu pedi que isso fosse recomendado a ela. Meus auxiliares a avisaram que o Banco esperava a afirmação de compromisso do novo governante eleito para que não houvesse riscos de ‘solução de continuidade’ do projeto.
Fiz a mesma coisa com os chineses da Chint - fábrica de placas solares, dentro do processo de transição. Tudo pra dar plenas condições de continuidade aos projetos relevantes que precisavam seguir independentemente de quem fosse o governo. Fiz isso pensando grande, pensando no RN.
Apesar de todos os problemas financeiros por que passam os estados, eu deixei um grande legado de obras concluídas - estradas, escolas, hospitais, centrais do cidadão, centro de convenções, bibliotecas, restaurantes populares, viadutos, aeroporto, teatros, viaturas e equipamentos para as polícias entre várias outras coisas. E um grande número de obras em pleno andamento, como as barragens e mais estradas, com um detalhe: todas com recursos disponíveis para a sua continuidade e conclusão.
Qual a dificuldade em ela reconhecer isso? Fale dos problemas mas se é pra ser justa reconheça também o que eu deixei de realizações e recursos assegurados.
Fátima tem um grande desafio pela frente: reequilibrar o estado e dialogar com o governo federal e com os partidos para cumprir os muitos compromissos que ela assumiu na campanha. Rogo e torço que ela consiga. Até porque ela tem as condições políticas que eu não tive. E porque é isso que o RN precisa, espera e merece.
Robinson Faria

Nenhum comentário