Brasil tem 1.173 espécies em risco de extinção


De um total de 12.254 espécies de animais avaliadas, 1.173 vivem sob risco de extinção no Brasil. Os números foram divulgados pelo Instituto de Conservação da Biodiversidade Chico Mendes (ICMBio) na mais recente edição do Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção 2018.

A edição anterior do relatório foi publicada há mais de dez anos. Como a abrangência da pesquisa atual foi ampliada em relação à anterior, não é possível fazer uma comparação do número de espécies ameaçadas entre 2008 e 2018. Em 2008 eram analisadas apenas 1.400 espécies.

O ICMBio destacou que, do total de 1.173 espécies ameaçadas, 724 foram incluídas nas duas categorias mais críticas, com risco alto ou extremamente alto de extinção.

O maior número de espécies ameaçadas se encontra na Mata Atlântica, totalizando 1.026 animais. Destes, 428 são endêmicos, isto é, existem apenas em regiões de Mata Atlântica.

Outros 182 animais ameaçados se encontram na Caatinga, sendo que 46 existem apenas nesse bioma, como a arara-azul-de-lear, que se tornou símbolo da biodiversidade do sertão.

A catalogação de risco de extinção de um animal segue o padrão criado pela União Internacional para Conservação da Natureza em 1964. Há oito classificações. São elas: extinto; extinto na natureza; criticamente em perigo; em perigo; vulnerável; pouco preocupante; não avaliado ou não aplicado; e dados insuficientes.

Nenhum comentário