Teatro Alberto Maranhão, Pinacoteca e Fortaleza dos Reis Magos serão reformados pelo Governo do RN


Três anos após o fechamento, o Teatro Alberto Maranhão terá as obras de reforma e restauração iniciadas a partir de junho, segundo a Fundação José Augusto, órgão gestor da cultura no Rio Grande do Norte. As propostas para reestruturação do equipamento poderão entregues até o dia 18 de maio. O orçamento total será de R$ 7, 443 milhões.
As obras serão pagas pelo programa RN Sustentável. Os recursos são oriundos de empréstimo com o Banco Mundial. “A reforma estava incluída no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC Cidades históricas), mas o dinheiro não chegou. Tivemos de realizar o distrato [rescisão] do contrato com o Ministério da Cultura. Toda esta burocracia tomou muito tempo”, justifica Iaperi Araújo, atual diretor da Fundação José Augusto.
A expectativa é de que o teatro seja reaberto oficialmente em junho de 2019. Serão realizadas ações de reforma das estruturas elétricas, hidráulicas e de acessibilidade do espaço. Também será feita a completa reestruturação do palco e camarins. “Haverá ainda a instalação de um novo sistema de ar-condicionado. O mais importe é que a caixa cênica (palco, camarins e ribalta) vai ganhar uma reforma”, detalha Iaperi Araújo.
O Alberto Maranhão foi interditado em julho de 2015. A decisão judicial que determinou o fechamento foi embasada em laudo técnico do Corpo de Bombeiros. A avaliação apontava para falhas nas instalações elétricas e hidráulicas, bem como a ausência de equipamentos de acessibilidade. “Esperamos iniciar a reforma ainda no segundo semestre deste ano”, salienta Iaperi Araújo.
Além do teatro, a recuperação também inclui a Escola de Dança, que funciona dentro estrutura predial do Alberto Maranhão. O espaço vai receber R$ 2,269 milhões. A obra incluí a melhoria dos equipamentos e piso das áreas utilizadas para as aulas.
Além da reforma do Teatro Alberto Maranhão, a o programa “RN Sustentável” também vai promover as licitações para a reforma da Fortaleza dos Reis Magos e da Pinacoteca do Estado.
A obra da fortaleza – palco da fundação de Natal, em 1599 – será reestruturada. A obra orçada em R$ 4,1 milhões irá efetuar melhorias no projeto arquitetônico, estrutural, elétrico e sanitário da praça. As propostas para a licitação serão abertas no dia 15 maio. Com as obras iniciadas, a Fortaleza será reaberta apenas no primeiro semestre de 2019.
Já a Pinacoteca do Estado, cuja reforma vai custar R$ 5, 6 milhões, terá os envelopes abertos no dia 18 de maio. A expectativa é de que a estrutura seja reaberta até junho do próximo ano. Até lá, segundo a Fundação José Augusto, as exposições artísticas serão levadas para o Museu Café Filho, no bairro de Cidade Alta, a pouco mais de 200 metros da pinacoteca.
Segundo Iaperi Araújo, a pinacoteca só será fechada quando a licitação foi finalizada. “Quando a empresa vencedora instalar o canteiro de obras, nós iremos fechar o espaço”, detalha. A reforma contempla melhorias elétricas e a instalação de equipamentos de acessibilidade, como a inclusão de um elevador.
Outra parte das exposições serão transferidas para a Biblioteca Câmara Cascudo, que será reaberta ao público em maio, após mais de seis anos fechada. “A obra de biblioteca também contemplou um espaço para exposições. Com isso, haverá a oportunidade para novas mostras”, finaliza.

Nenhum comentário