Câmara de Natal lembra Dia Internacional da Síndrome de Down com homenagem


A luta contra o preconceito que sofre a pessoa com síndrome de Down tem espaço garantido na Câmara Municipal de Natal. Nesta quinta-feira (05), por proposição da vereadora Nina Souza, o Legislativo natalense realizou uma sessão solene para comemorar o Dia Internacional da Pessoa com Síndrome de Down - celebrado em 21 de março - na presença de pais, professores e representantes de instituições empenhadas na promoção da inclusão social, além de crianças e adultos com Down.

"É preciso que todos compreendam que a Síndrome de Down não é uma doença, mas uma condição. As pessoas com a síndrome podem alcançar um bom desenvolvimento de suas capacidades individuais e avançar com crescentes níveis de realização e autonomia. Portanto, são capazes de realizar seus sonhos e conseguir sucesso em qualquer área da vida", destacou a vereadora Nina Souza.

Para o presidente da Casa, vereador Raniere Barbosa, a data é importante para enfatizar a necessidade de haver políticas de inclusão e acompanhamento de pessoas com Down. "Temos que pensar em formas de abrir espaços em todas as esferas sociais e deixar possibilidades de inclusão e desenvolvimento", pontuou. 

O vereador Robson Carvalho falou que se as barreiras que separam as pessoas com Down de uma convivência normal na sociedade são concretas, a solenidade mostrou as enormes possibilidades de rompê-las, superá-las e abrir as chances a uma convivência em que o preconceito perde espaço para a integração. "Mais do que nunca, ficou claro que o fator que desequilibra positivamente esse relacionamento é o amor", refletiu.

De acordo com a diretora da APAE e presidente da Federação das APAEs do RN, Maria Alzira Correia da Silva, um em cada 600 a 800 nascidos no Brasil tem Síndrome de Down. "A importância deste dia está na necessidade de falarmos mais sobre o assunto, de levarmos conhecimentos a toda população. Mostrar que são indivíduos com imensas potencialidades. Porque muitas vezes as pessoas só conhecem as limitações e todos nós enfrentamos limitações". 

Também presente na sessão solene, Débora Seabra, primeira professora com síndrome de Down do Brasil, falou que muito ainda precisa ser feito no sentido de avançar nos projetos de inclusão ao lembrar a urgência em melhorar a política de inclusão e amparo educacional a crianças com necessidades de aprendizagem específica. "O preconceito existe, mas podemos vencê-lo com conhecimento", resumiu a professora.

Isadora Nóbrega, 8 anos, foi uma das pessoas com Down agraciada com a homenagem do parlamento. "Estou muito contente com o carinho que recebi aqui. Gostei porque meus amigos e professores também participaram da festa", comemorou. Já Luis Henrique, 17 anos, destacou a animação da solenidade. "Teve música, alegria e felicidade. Foi tudo de bom pra gente. Agradeço a todos os vereadores pelo apoio", concluiu. 


Nenhum comentário