Geraldo Melo não é mais filiado ao MDB


SAIO DO PMDB sem crises e sem atritos. Não estou saindo para ser candidato. Não sou um profissional da política – não criei os meus filhos com dinheiro de política. Para atuar na vida pública do meu Estado e do meu país não é indispensável ter um mandato.
Como cidadão brasileiro tenho o forte desejo de participar do movimento que a sociedade desencadeou para mudar a política e mudar o nosso pais. Para isso posso até vir a ser candidato, se uma candidatura minha puder ser instrumento dessa luta transformadora.
Recebi hoje a visita de Garibaldi – que chegou quando a carta que lhe dirigi solicitando o meu desligamento já estava pronta e prestes a lhe ser entregue. Tivemos uma conversa amena, como devem ser as conversas entre amigos. Mas ficou claro que nem a minha participação interessa ao PMDB e nem o PMDB é a trincheira partidária onde possa abrigar-se o tipo de luta de que desejo participar. Melhor sair.


A CARTA – A mensagem que dirigi a Garibaldi é a seguinte:
Prezado amigo:
Infelizmente, o ano de 2017 terminou sem que eu recebesse do nosso partido e do seu Presidente a atenção que pedi, quando coloquei o meu nome à disposição para disputar uma das duas cadeiras de Senador que serão preenchidas este ano.
Não apresentei o assunto como questão fechada e nem formulei qualquer tipo de exigência.
Naquela ocasião, fiz apenas um pedido: precisava saber, até o final de 2017, que papel o PMDB desejava que eu desempenhasse nas eleições de 2018.
Apesar da sua reiterada declaração de que precisávamos conversar, a nossa conversa não aconteceu em tempo. Hoje, dia 18 de janeiro de 2018, tive o prazer de receber a sua visita, na qual você confirmou com clareza o que eu já havia entendido: eu não faço parte do projeto do PMDB.
Não vou fazer críticas, queixas ou reclamacões neste momento.
Quero apenas agradecer a atenção que, ao longo de muitos anos, recebi do caro amigo e de tantos outros queridos companheiros de memoráveis lutas.
Não desejo ser empecilho ou obstáculo aos seus planos à frente do PMDB, que, como eu já disse, claramente não me incluem.
Quero deixá-lo à vontade, inclusive para escolher outro Presidente de Honra para o PMDB estadual, posição a que renuncio, no momento em que solicito a minha desfiliação do partido.
Fico também à vontade para definir os meus passos daqui em diante.
Como não sou politico profissional, não me estou lançando candidato a nada.
Em 2018 quero apenas dar a minha pequena contribuição para que a indignação que tomou conta da alma brasileira, inspire e ilumine o futuro do Brasil e do Rio Grande do Norte.
Desejando-lhe, e a toda a sua família, enorme felicidade pessoal, abraço-o com os votos de que o seu futuro lhe traga sempre novas alegrias. 

O amigo GERALDO MELO


Leia na íntegra a carta no link https://www.facebook.com/gjmelo

Nenhum comentário