Ampliação de mini fábrica de confecções fomenta economia de São Miguel do Gostoso


As treze costureiras do Assentamento Canto da Ilha de Cima, em São Miguel do Gostoso, estão vendo a vida mudar para melhor. Isso porque conseguiram equipar e reestruturar, através dos investimentos destinados aos projetos de Empreendimentos Econômicos e Solidários do Governo do RN, a mini fábrica de costura da comunidade. Agora vão poder aumentar a produção de roupas e vender para os municípios vizinhos.
O projeto está orçado em R$ 133 mil e inclui a reforma e ampliação da unidade fabril, aquisição de máquinas de costura e uma motocicleta para distribuição das peças aos clientes. “Nós já produzíamos aqui em pequena escala, com essa ampliação vamos ter uma maior produção e aumentar os lucros”, assegura a costureira Francisca Vieira.
De acordo com a presidente da Associação das Mulheres da Agrovila II, Mariza de Souza, o processo de criação da marca está em andamento, em parceria com Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - Sebrae. “A marca é uma exigência do mercado. Com ela fica mais fácil conseguir e fidelizar os clientes”, diz.
O projeto de economia solidária é tocado pela Sethas e Governo Cidadão, com recursos do acordo de empréstimo com o Banco Mundial. Segundo a titular da Sethas, Julianne Faria, gerar emprego e renda é uma das prioridades do governo. “É uma maneira de fomentar a economia do RN e beneficiar direta e indiretamente os moradores da comunidade”, destacou.
O secretário de Gestão de Metas e Projetos, Vagner Araújo, defende a importância de investir em projetos voltados para as mulheres. “Acreditamos na força da mulher potiguar e o projeto da mini fábrica é um avanço e uma conquista significativa para as costureiras de São Miguel”, frisa.

Nenhum comentário