Ezequiel Ferreira propõe audiência pública em defesa das facções têxteis do Estado


Crédito da Foto:  Eduardo Maia

Por propositura do deputado e presidente da Assembleia Legislativa, Ezequiel Ferreira de Souza (PSDB) a Casa Legislativa vai realizar audiência pública no próximo dia dois, sob o tema: “Em Defesa das Frentes de Trabalho no Rio Grande do Norte: mais oportunidade no semiárido e menos burocracia.

“A sociedade potiguar tem se mobilizado em torno do “Grito do Emprego” e o primeiro ato no Seridó ocorreu no sábado (16) na cidade de São José do Seridó em protesto contra a ação do Ministério Público do Trabalho que atinge o Programa de Interiorização da Indústria, o Pró-Sertão. O evento reuniu trabalhadores e colaboradores das facções têxteis de diversos municípios do Estado, para onde o projeto levou emprego e renda nos últimos anos. No próximo sábado vai acontecer outra manifestação na cidade de Parelhas”, justifica o deputado Ezequiel Ferreira em seu requerimento para a realização da audiência, ao mesmo tempo em que procura a participação de todos os atores envolvidos na temática para a busca de caminhos para o entendimento e preservação do emprego no Estado.

Na decisão do Ministério Público do Trabalho-RN é solicitada uma multa de R$ 38 milhões para a indústria Guararapes, por firmar parceria com as pequenas facções têxteis integrantes do projeto Pró-Sertão criado durante a passagem do deputado federal Rogério Marinho (PSDB) pela secretaria de Desenvolvimento Econômico do Rio Grande do Norte, em 2013.

Um expoente nas ações de geração de emprego e renda no Estado, o Pró-Sertão chegou num momento de crise, abrindo oportunidade de emprego no semiárido, com uma economia combalida por causa da seca.

O deputado Ezequiel ressalta em seu requerimento que “os empregos gerados para os profissionais da costura pelo Pró-Sertão também foram responsáveis pelo surgimento de outras oportunidades para as pessoas que vendem alimentos, para as lojas de materiais de construção, que também vão sofrer de o emprego das facções têxteis acabarem”.

Pelo processo do MPT-RN pelo menos 62 unidades têxteis do Seridó, distribuídos pelas cidades Parelhas, Cerro Corá, São José do Seridó, São Vicente, Acari e Jardim do Seridó e cerca de 2.600 trabalhadores serão prejudicadas, caso o entendimento tenha continuidade na Justiça Trabalhista.

Nenhum comentário