Baleia Azul: homem é preso sob suspeita de influenciar 40 vítimas

Matheus Silva, de 23 anos, preso pela Operação Aquarius, por suspeita de ser curador da prática criminosa Baleia Azul (Fabiano Rocha/Agência o Globo)
A Polícia Civil prendeu um homem no Rio de Janeiro nesta terça-feira sob suspeita de ter feito 40 vítimas com a prática criminosa conhecida como Baleia Azul, em que usuários de redes sociais influenciam adolescentes a completar 50 tarefas, incluindo automutilação e suicídio. Matheus Silva, 23 anos, foi detido em Nova Iguaçu durante a Operação Aquarius, coordenada pela Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI). Ele ficará em prisão preventiva.
A operação tem o objetivo de cumprir ao todo 24 mandados de busca e apreensão também nos estados de Amazonas, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e Sergipe. Foram envolvidas 24 equipes de policiais em 20 cidades de todo o país, com pelo menos três agentes em cada uma. Ao todo, pelo menos 72 policiais estão envolvidos na ação.
“Esse rapaz que foi preso, nós já tínhamos materialidade suficiente para pedir a prisão dele. Ele já confessou que era curador, que tinha influenciado 30 vítimas, mas temos nos autos cerca de 40 vítimas” disse Fernanda Fernandes, delegada assistente da DCRI. De acordo com ela, a operação resultou na apreensão de celulares e computadores e na identificação de quinze vítimas da prática. Não houve nenhuma morte no Rio.  
Até o momento, dez curadores —pessoas que dão as coordenadas das tarefas para as vítimas— são investigadas, segundo a delegada. Este número apenas não é maior, de acordo com ela, porque a polícia não teve a colaboração das empresas de tecnologia e redes sociais, como Facebook e Google, apesar de determinações da Justiça, para obter os dados cadastrais dos suspeitos de envolvimento com o crime.  O “modus operandi” dos curadores envolvia perfil falso no Facebook.
Márcio Santos, policial especialista em tecnologia da informação, afirmou que a prática teve início na Europa e prevê desafios, incluindo um corte a uma profundidade que pudesse expor a veia da vítima. Segundo a delegada Fernanda, a motivação para permanecer no desafio criminoso era subjetiva, mas as vítimas entravam em depressão e sofriam pressões do curador caso o abandonassem, como ameaça de morte a ela ou a algum membro da família. As investigações detectaram uma criança de nove anos, prestes a se tornar vítima da prática.
A delegada Daniela Terra, titular da DCRI, afirmou que muitas crianças chegavam à delegacia com muitos cortes e fez um alerta aos pais para que acompanhem a vida virtual das crianças nas redes sociais. De acordo com ela, a idade mínima para o cadastro no Facebook é de 13 anos de idade. A inscrição de alguém com idade inferior é crime, cuja responsabilidade é dos pais. Segundo as delegadas, a Secretaria da Educação do Rio de Janeiro foi oficiada para auxiliar na identificação de possíveis vítimas. Conforme as delegadas, ao longo das investigações, foram constatadas diversas mortes pelo Brasil.
As delegadas afirmaram que a operação teve início com uma análise prévia das redes sociais para saber se o desafio realmente existia e, com isso, evitar mortes. Elas disseram que, pelo fato de as vítimas não procurarem a delegacia especializada, foi necessário fazer rondas virtuais para apurar informações. Segundo as delegadas, a operação terá uma segunda e, talvez, terceira fases.
REVISTA VEJA

Nenhum comentário